30/05/2018 às 15h46min - Atualizada em 30/05/2018 às 15h46min

Financiamento coletivo auxilia na conservação da biodiversidade mundial

Estudo realizado pela Universidade de Queensland revelou que o método de crowdfunding está financiando a conservação de biodiversidades em todo mundo

ANDA - Agência de Notícias de Direitos Animais
Dinheiro arrecadado através de crowdfunding custeia medidas protetivas de espécies ameaçadas, como o elefante africano e o rinoceronte negro.
O financiamento coletivo, ou crowdfunding, tem se destacado como uma maneira de manter a preservação da biodiversidade do planeta. O dinheiro arrecadado custeia medidas protetivas para espécies ameaçadas, tais como elefantes africano, rinocerontes negro e o orangotango de Bornéu.

Um elefante frente à frente com um rinoceronte 
Dinheiro arrecadado através de crowdfunding custeia medidas protetivas de espécies ameaçadas, como o elefante africano e o rinoceronte negro.

Um estudo liderado pela Universidade de Queensland, revelou que a alternativa está financiando a conservação em todo o mundo. Esse fato é observado inclusive em países que já possuem como prioridades a conservação, como Indonésia e Costa Rica.

O mestre em ciências ambientais, Eduardo Gallo-Cajiao, afirma que o crowdfunding aproveitou a capacidade de alcance da internet para ampliar o poder dos recursos públicos. “A arrecadação de fundos é fundamental para a conservação da biodiversidade, e evidências casuais indicaram que o investimento coletivo estava sendo usado para apoiar uma variedade de atividades de conservação”, disse ele.

No entanto, sua magnitude e destino eram em grande parte desconhecidas. O estudo revelou que, desde 2009, os conservacionistas já arrecadaram cerca de US$ 6,3 milhões. Eles investiram o capital em projetos terrestres e marítimos, que foram entregues a 80 países em todos os continentes.

Foram encontradas 208 espécies que têm sido o foco explícito de projetos financiados por crowdfunding. A maioria deles têm alto risco de extinção, como o papagaio-de-barriga-laranja da Austrália e o golfinho vaquita da Califórnia.

Esses projetos também têm investido em pesquisa, monitoramento, gerenciamento, defesa e divulgação de resultados.

O pesquisador disse que o crowdfunding possibilitou a experimentação de idéias tradicionais, mas também de novas e arriscadas que são mais difíceis de receber financiamentos usuais. Desde a tentativa de reduzir os assassinatos de leões africanos na Tanzânia, até o apoio a compra e treinamento de cães pastores da Maremma para proteger uma colônia de pinguins no sudeste da Austrália.

A pesquisa completa sobre os benefícios do financiamento coletivo na manutenção da biodiversidade global pode ser encontrada aqui.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »