10/12/2018 às 11h07min - Atualizada em 10/12/2018 às 11h07min

Prefeitura e parceiros realizam 1º Fórum de Rastreabilidade de vegetais frescos e Gedave

Assessoria de Imprensa
Foto: Divulgação
O auditório do Siran (Sindicato Rural da Alta Noroeste) sediou, na última sexta-feira (7), o 1º Fórum de Rastreabilidade de vegetais frescos e Gedave (Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal).

O evento é de realização da Prefeitura de Araçatuba, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agroindustrial (SMDA), Siran (Sindicato Rural da Alta Noroeste), Sebrae SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Cati (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral). São apoiadores do fórum o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo.

O fórum foi proposto diante das novas exigências da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que promulgaram a Instrução Normativa Conjunta ANVISA/SDA nº 2, de 07/02/2018. A norma define os procedimentos para a aplicação da rastreabilidade ao longo da cadeia produtiva de produtos vegetais frescos destinados à alimentação humana, para fins de monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos, em todo o território nacional.

Esta norma afeta todos os elos da chamada Cadeia Produtiva das Frutas e das Hortaliças, ou seja, todos aqueles envolvidos com a etapa de produção, transporte, beneficiamento, manipulação e comercialização das frutas e hortaliças, portanto, desde os produtores rurais até os estabelecimentos que fazem a venda desses produtos para os consumidores.

Diante disso, são estabelecidos prazos para implementação da rastreabilidade nas diferentes cadeias produtivas que tiveram início em agosto de 2018 e se estendem até fevereiro de 2020. Portanto, as regras já estão valendo para algumas culturas existentes na região.

GEDAVE

Outro assunto tratado no fórum foi a Portaria CDA – 16, de 22/3/2018, que tornou obrigatório o uso do Sistema GEDAVE para registro da comercialização, monitoramento da utilização e devolução de embalagens vazias de agrotóxicos de uso agrícola e afins.

No circuito de palestras, foram apresentados os temas Rastreabilidade, Gedave e Oportunidades de Mercado. Ao final, os participantes fizeram uma mesa redonda para debate sobre os temas.

“Tivemos a iniciativa de promover um evento procurando reunir todos os envolvidos com as cadeias produtivas de frutas e hortaliças, já que as novas exigências do governo nos preocupam bastante”, destacou o assessor executivo da SMDA, Arnaldo Vieira Filho.

Fizeram pronunciamentos o secretário de Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho (SMDERT) e de Desenvolvimento Agroindustrial (SMDA), Marcelo Mazzei; o consultor de negócios do Sebrae SP, Aldo Rezende Fernandes; Marcelo Moimas, engenheiro agrônomo da Cati, e o assessor executivo da SMDA, Arnaldo Vieira Filho, que no ato também representou o presidente do Siran, Fabio Brancato.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »