08/03/2018 às 10h01min - Atualizada em 08/03/2018 às 10h01min

Leopardos indochineses correm grave risco de extinção na Ásia

A espécie está criticamente ameaçada de extinção. A caça e a destruição da natureza são alguns dos fatores que matam dezenas desses animais a cada ano.

Agência de Notícias de Direitos Animais
A população de leopardos indochineses corre o risco de extinção em Camboja. (Foto: Tomas Najer)
A última população de leopardos indochineses está correndo risco de extinção em Camboja, no sudeste asiático. A população de animais na região diminuiu  72% em um período de cinco anos. Uma pesquisa publicada na revista Royal Society Open Science revelou uma das menores concentrações de leopardos já relatados na Ásia – apenas um animal por 100 quilômetros quadrados.

“Esta população representa o última esperança para leopardos em todo o Laos, Camboja e Vietnã – uma subespécie à beira de desaparecer”, disse o co-autor do estudo, Dr. Jan Kamler, em um comunicado . “Já não podemos, como uma comunidade internacional, negligenciar a conservação deste animal selvagem único”.

A notícia do declínio da população surge apenas dois anos depois que os pesquisadores anunciaram que os leopardos indochineses perderam mais de 95% de sua região. Agora, os especialistas estimam que há apenas mais de 1.000 animais adultos no sudeste asiático e esperam que a International Union for Conservation of Nature, em tradução livre “União Internacional para a Conservação da Natureza” liste a espécie como “criticamente ameaçada” ainda este ano.

Os leopardos estão ameaçados por uma série de razões, quase todas são relacionadas as ações humanas na natureza. A caça para comercialização mundial de carne e a “caça esportiva”, onde os caçadores colocam armadilhas indiscriminadamente e podem sequestrá-los e matá-los, além de negligenciarem suas fontes naturais de alimento.

À medida que as populações de leopardos continuam a diminuir, os especialistas afirmam que os caçadores também estão focados nas peles de leopardo e outras partes do corpo para comercialização.

Além disso, a população de leopardos está fornecendo espaço para os animais altamente adaptáveis ​​e oportunistas para preencher um vazio predatório. Os cientistas descobriram que os leopardos estão se alimentando de bantengue, um animal selvagem cinco vezes maior do que o leopardo. Eles são os únicos animais que lideram uma presa tão grande e acreditam que os leopardos mudaram seus alvos de presas depois que as populações locais de tigres foram extintas em 2009.

“A história é semelhante para todos os grandes gatos”, disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, em um comunicado. “Eles estão coletivamente ameaçados pela perda de habitat, mudanças climáticas, sequestros e conflitos entre humanos e vida selvagem. Nós somos a causa de seu declínio, então também podemos ser a salvação”.

As Nações Unidas dedicaram seu Dia Mundial da Vida Selvagem anual em 3 de março aos grandes animais sob a bandeira “Grandes Gatos: Predadores sob ameaça”.

“Conforme o mundo se mobilizar para celebrar o Dia Mundial da Vida Selvagem nesta data, não apenas em palavras, devemos nos unir em ação para conter a epidemia de sequestros diante desse lindo animal grande e outros ao redor do globo”, finalizou Kamler.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »