18/01/2018 às 17h08min - Atualizada em 18/01/2018 às 17h08min

4 DICAS PARA REBAIXAR O CARRO SEM PREJUDICAR O CONFORTO

Muitas pessoas recorrem à customização dos seus veículos como meio de se destacar em meio à multidão. Rebaixar o carro é uma das alterações que mais o destaca, além de ser uma das mais utilizadas.

Connect
Vivemos em uma época em que ter um automóvel é possível para uma grande parcela dos brasileiros. Por isso, muitas pessoas recorrem à customização dos seus veículos como meio de se destacar em meio à multidão. Rebaixar o carro é uma das alterações que mais o destaca, além de ser uma das mais utilizadas.

1. EVITE IMPROVISOS AO REBAIXAR O CARRO
O sistema de suspensão dos automóveis pode ser considerado um dos principais itens de segurança. Além de proporcionar conforto ao motorista e aos passageiros, ele ainda cuida da estabilidade do carro em curvas ou em condições adversas.

Portanto, a primeira dica é não rebaixar o carro por meio de improvisações.

2. INVISTA EM PROFISSIONAIS QUALIFICADOS
As suspensões são projetadas para absorver os impactos e as irregularidades do solo, levando em consideração inúmeras características dos veículos para os quais foram desenvolvidas. Daí a importância de se primar pela qualidade no serviço de rebaixamento.

Os prejuízos de um carro rebaixado inadequadamente vão muito além do conforto: podem ocorrer desalinhamentos, perda de estabilidade nas curvas, excesso de exigência do sistema de direção e desgaste irregular dos pneus, colocando em risco a segurança de todos.

3. CONHEÇA AS MANEIRAS DE REBAIXAR O CARRO
REBAIXAMENTO POR SISTEMA FIXO
As suspensões fixas não permitem regulagem da altura do veículo sem a substituição de peças. Esse tipo de suspensão é o que equipa quase todos os carros que saem das fábricas, e também são as mais usadas na execução do rebaixamento.

O rebaixamento utilizando o sistema fixo é bastante simples. Basta substituir as molas e os amortecedores originais pelos modelos ditos esportivos, que são oferecidos no mercado com grande variedade de fabricantes e configurações.

EVITE ADAPTAÇÕES NAS PEÇAS
É muito comum que os interessados em rebaixar o carro recorram a adaptações nas peças originais para baixar o custo, como cortar molas, utilizar grampos, ou mesmo fazer alterações nos amortecedores ou na estrutura do veículo.

Mas esqueça as gambiarras, pois elas diminuem consideravelmente a segurança e aumentam os prejuízos. Essas modificações não levam em conta a geometria da suspensão e podem danificar diversos outros componentes do carro.

REBAIXAMENTO POR SISTEMAS REGULÁVEIS
As suspensões reguláveis podem ser encontradas em dois tipos:

SUSPENSÕES REGULÁVEIS DE ROSCA
As suspensões de rosca são similares às fixas, com a diferença de que os pratos são presos ao tubo por uma rosca em vez de soldados. Com isso, é possível ajustar a altura do veículo apenas rosqueando-a para cima ou para baixo.

SUSPENSÕES REGULÁVEIS A AR
As suspensões a ar são compostas por bolsas de ar que substituem os amortecedores, ligadas a um sistema de mangueiras de ar comprimido, compressor e reservatório de ar. O que torna esse sistema interessante é o fato de que é possível regular a altura do carro mesmo com ele em movimento. Por outro lado, é a opção mais cara disponível.

4. FIQUE ATENTO À LEGISLAÇÃO
Qualquer alteração em veículos deve obedecer às normas vigentes e ser informada às autoridades, que exigirão inspeções específicas e registrarão as modificações no prontuário do carro. O tema rebaixamento é abordado nas resoluções do Contran, bem como suas alterações posteriores.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »