31/07/2021 às 20h14min - Atualizada em 31/07/2021 às 20h14min

Combate a incêndios florestais recebe apoio do sindicato de postos de combustíveis

Adesão da categoria à Operação Corta-Fogo prevê autorização de estabelecimentos para divulgação de informações educativas

Governo do Estado de São Paulo
Foto: Divulgação
A Operação Corta-Fogo, que visa prevenir e combater incêndios florestais em São Paulo, recebe apoio do Sincopetro, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo. O apoio da entidade na edição 2021 se dá pela autorização, junto aos estabelecimentos, para divulgação de mensagens educativas sobre o perigo desse tipo de desastre ambiental.

Até agora cerca de 100 proprietários da capital paulista e interior já aderiram ao programa e disponibilizaram os espaços para colocação de cartazes com mensagens de prevenção a incêndios como:  “Não jogue bitucas de cigarros nas rodovias”, “Não solte balões”; e “Não faça fogueira na mata”, entre outros.

O presidente do Sincopetro, José Alberto Paiva Gouveia, considera os postos de combustíveis fundamentais para conscientização e divulgação desta campanha: “Por meio dos nossos estabelecimentos podemos mostrar que pequenas atitudes podem mudar e transformar o nosso planeta, conservando e salvando o meio ambiente”, afirma.

Sérgio Marçon, integrante do Comitê Executivo da Operação Corta-Fogo, reforça a importância da participação da categoria: “A quantidade de pessoas que circula nos postos de combustíveis faz com que as mensagens atinjam e conscientizam diversos públicos”, explica.

Só em 2020 foram registrados 269 focos de incêndio em mais de 21 mil hectares de florestas. Entre as causas identificadas para esses desastres ambientais estão, por exemplo, a queima de lixo, vandalismo e a soltura de balões, ação, inclusive tipificada como crime ambiental.

As secretarias estaduais de Saúde, Transportes Metropolitanos e Prodesp  também estão apoiando a campanha para que mensagens sobre os incêndios florestais sejam divulgadas em hospitais e unidades do Poupatempo, além das estações do Metrô, CPTM e EMTU. Nesses locais também estão sendo afixados os cartazes educativos.

No caso da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), as ações de comunicação envolvem a veiculação de mensagens educativas e de alerta inseridas nos painéis eletrônicos das rodovias. Sites e redes sociais da Agência e das concessionárias também vão compartilhar as informações.

A campanha de conscientização também está sendo divulgada nas redes sociais de todos os órgãos integrantes da Operação Corta-Fogo, com mensagens sobre as consequências dos incêndios florestais, como a destruição da fauna e da flora, além do risco para a saúde da população.

Baixe o conteúdo digital para divulgação em: http://bit.ly/materialcortafogo

Operação Corta-Fogo em SP

Em 2010, o estado de São Paulo instituiu o Sistema Estadual de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, que visa, dentre outras ações, a diminuir os focos de incêndio no estado e estimular o desenvolvimento de alternativas ao uso do fogo para o manejo agrícola, pastoril e florestal.

Esse sistema, chamado de Operação Corta-Fogo, é composto por diversos órgãos e desenvolve uma série de atividades de forma permanente, de acordo com as necessidades e priorizações que cada período exige, dentro de um cronograma ao longo do ano.

Elas são as chamadas fases verde, amarela e vermelha:

Fase verde (janeiro a março, novembro e dezembro). Essa fase é dividida em duas etapas. A primeira delas, de janeiro a março, é dedicada a atividades de planejamento e início das medidas de prevenção e preparação. No final do ano, é realizada uma avaliação da temporada de incêndios e são iniciados os preparativos para o ano seguinte.

Fase amarela (abril e maio). A fase amarela requer foco nas ações preventivas e de preparação para enfrentar os incêndios florestais. Nessa fase, as atividades de treinamento, capacitação, elaboração e revisão de planos preventivos e de contingência ganham prioridade.

Fase vermelha (de junho a outubro). Nessa fase, as ações de combate ao fogo e de fiscalização repressiva são priorizadas e as estratégias de comunicação e campanhas preventivas ganham reforço.

Órgãos participantes

Coordenadoria Estadual de Proteção Defesa Civil (CEPDEC)

Corpo de Bombeiros

Polícia Militar Ambiental

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb)

Fundação Florestal.


A coordenação do sistema é feita pela CFB – Coordenadoria de Fiscalização e Biodiversidade, da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente. 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »