26/10/2020 às 09h48min - Atualizada em 26/10/2020 às 09h48min

Adoção online de pets pela prefeitura de SP: como funciona?

Serviço foi criado para que adoções dos animais fossem possíveis durante o período de quarentena.

Assessoria de Imprensa
Foto: Divulgação
A companhia de um animal de estimação em casa pode fazer toda a diferença no astral de um lar e seus moradores. A presença do pet estimula a prática de hábitos saudáveis, como caminhadas ao lado dele, assim como faz com que a pessoa se sinta menos sozinha, principalmente, se ela mora sozinha.
 
Quem tem interesse em ter um pet em casa pode recorrer ao sistema de adoção on-line, organizado pela Prefeitura de São Paulo. O processo conta com diversos gatos e cachorros que foram abandonados e podem ser escolhidos. Assim, esta é uma ótima oportunidade de proporcionar a eles um lar que os acolha bem.
 
O processo foi criado em maio deste ano. Em virtude da pandemia do novo coronavírus, o Centro Municipal de Adoção de Cães e Gatos, localizado em Santana, teve que suspender o seu atendimento. Para não paralisar as de adoções, o Portal SP156 adaptou o processo para a versão on-line.
 

Funcionamento

Os interessados devem ser maiores de idade. Ao entrar no portal de atendimento, a pessoa deve escolher se deseja adotar um cão ou um gato. Eles são divididos nas categorias de cachorros de grande, médio e pequeno porte, além dos filhotes, e gatos machos, fêmeas e filhotes.
 
O site disponibiliza as informações de cada animal, que inclui descrições físicas de cada um e fotos para que você possa conhecê-los. Todos eles são vacinados e vermifugados, além de serem identificados por um microchip. Obedecendo à lei municipal, eles também possuem um Registro Geral do Animal (RGA).
 
Quando você escolher algum deles, é necessário preencher um formulário informando o nome do animal escolhido. Entre os documentos que você precisa informar, estão os seus dados de RG e CPF, além de um comprovante de endereço atualizado. A taxa de adoção é de R$ 25,50 para cada pet adotado.
 
A equipe da Coordenadoria da Saúde e Proteção do Animal Doméstico (Cosap) irá avaliar o requerimento. Caso ele seja aprovado, é agendado um encontro, permitindo que o futuro tutor possa conhecer o animal.
 
Na oportunidade, é feito uma entrevista para avaliar o perfil do animal escolhido e do candidato a tutor. É possível que, nesse momento, o pet não seja liberado para adoção. Isso porque a entrevista serve para entender a situação familiar do adotante, encontrando a opção mais adequada para sua realidade e rotina.
 
Quando for adotar o animal, o candidato deve levar coleira, caso vá escolher um cachorro, ou uma caixa transparente, se o escolhido for um gato. O serviço pode realizar visitas pós-adoção para acompanhar a adaptação do animal. Há um prazo de 30 dias para que aconteça essa ambientação, tanto do animal com a família, quanto vice-versa.
 

Iniciativa semelhante

No Rio de Janeiro, há um serviço de adoção parecido com este. Organizado pela Subsecretaria de Bem-Estar Animal (Subem), o Entrega Pet é um projeto que promete entregar cães e gatos para interessados, sem que eles tenham que sair de casa.
 
A ação foi feita para o período de quarentena. Neste processo, a pessoa que tem interesse em adotar escolhe um animal a partir de publicações feitas nas redes sociais da subsecretaria. Após a escolha, ela passa por uma entrevista online com os responsáveis. Se for aprovada, é agendada uma data para a entrega do pet em casa.
 
Assim como no caso paulistano, os interessados devem ser maiores de 18 anos. Eles também necessitam apresentar RG, CPF e comprovante de residência.

Os cães da iniciativa são vacinados, castrados e possuem um microchip para identificação.

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »