03/08/2018 às 15h25min - Atualizada em 03/08/2018 às 15h25min

Secretaria de Saúde promove de 6 a 11 de agosto atividades educativas sobre leishmaniose visceral

Assessoria de Impensa
Foto: Divulgação
Com o objetivo de conscientizar a população sobre a prevenção da leishmaniose visceral, a Secretaria de Saúde de Birigui realizará no período de 6 a 11 de agosto diversas ações educativas. Os trabalhos farão parte da Semana Municipal de Controle e Combate à Leishmaniose, instituída pela lei 6.526/2018, e a Semana Estadual de Prevenção da Leishmaniose.

A mobilização será aberta na próxima segunda-feira com palestra sobre a doença e posse responsável de animais para alunos e professores da escola estadual Profº Ricardo Peruzzo, a partir das 13h20. A palestra será ministrada pela equipe do IEC (Informação, Educação e Comunicação) do CCVZ (Centro de Controle de Vetores e Zoonoses).

Durante a semana, haverá ainda palestras na escola estadual Profª Isabel de Almeida Marin, nos Cras (Centros de Referência de Assistência Social) dos bairros Portal da Pérola 2 e Quemil e no Cerem (Centro Educacional e Recreativo Municipal) do núcleo Portal da Pérola 2. Já no sábado (11), agentes de combate a endemias farão entrega de panfletos em supermercados da cidade.

DOENÇA

A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa sistêmica, caracterizada por febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia e outras manifestações. É transmitida ao homem pela picada do inseto vetor infectado, o Lutzomyia longipalpis, mais conhecido como mosquito-palha ou birigui.

Conforme a Vigilância Epidemiológica, de janeiro a julho deste ano duas pessoas foram diagnosticadas com leishmaniose, sem mortes. No ano passado, a cidade contabilizou dois casos, com um óbito em decorrência da doença. Apesar de grave, a doença tem tratamento, que é oferecido gratuitamente na rede municipal de saúde.

Já nos cães os sintomas são: crescimento das unhas, queda dos pelos, feridas na pele, secreção ocular, emagrecimento e perda do apetite. Até o momento, 12 cães foram diagnosticados com a doença, enquanto que em 2017 foram 230. A eutanásia é recomendada como uma das formas de controle da leishmaniose canina, integrada às demais ações orientadas pelo Ministério da Saúde.

PREVENÇÃO

A Secretaria de Saúde promove durante todo o ano ações de prevenção ao mosquito, por meio do trabalho de orientação da população em não manter matéria orgânica em decomposição nos quintais das casas, ambiente propício para o desenvolvimento do inseto, e sobre posse responsável. Promove também ações de controle, como testes rápidos em cães e eutanásia dos animais com a doença, além do tratamento da doença em humanos.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »