04/08/2021 às 15h08min - Atualizada em 04/08/2021 às 15h08min

SP cobra Ministério da Saúde após corte de 50% no envio de vacinas da Pfizer

Governador diz que decisão foi arbitrária e pede que lote proporcional à população paulista seja entregue em 24 horas

Governo do Estado de São Paulo
O Governador João Doria fez nesta quarta-feira (4) uma cobrança pública ao Ministério da Saúde sobre o corte intempestivo de 50% do último lote proporcional à população de vacinas da Pfizer a que São Paulo tem direito. O Estado encaminhou ofício a Brasília pedindo que mais 228 mil doses do imunizante sejam entregues em prazo de até 24 horas.

“O Governo de São Paulo recebeu ontem 228 mil doses a menos do previsto da vacina da Pfizer. Aquilo que deveria ter sido entregue ao estado não foi”, declarou o Governador. “A última remessa de vacinas da Pfizer foi reduzida à metade sem nenhuma justificativa. A decisão que, como Governador, qualifico como arbitrária, representa a quebra do pacto federativo. O Governo Federal decidiu punir quem fez o certo e foi eficiente na vacinação”, reforçou Doria.

Com população aproximada de 46,3 milhões de pessoas segundo estimativa de 2020 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), São Paulo tem direito a 22% das vacinas distribuídas pelo Ministério da Saúde pelo PNI (Plano Nacional de Imunizações).

Pelas normas do SUS (Sistema Único de Saúde), cada estado tem direito a lotes proporcionais à população local, independentemente de público-alvo da vacinação ou tipo de imunizante disponível.

O ofício do Governo de São Paulo foi remetido diretamente ao Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. No documento, o Estado informa que a pauta do Governo Federal reservou apenas 10% do total da nova entrega nacional de imunizantes da Pfizer para São Paulo.

“O PNI é seguido de uma forma ética e planejada pelo Governo de São Paulo. Com essa organização, o Estado de São Paulo não poderia ter sido surpreendido por uma medida tão descabida”, disse o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn. “É muito preocupante o que ocorreu. O planejamento da imunização depende da manutenção dos critérios que estão sendo utilizados e precisamos que o recebimento de vacinas seja mantido”, acrescentou João Gabbardo, Coordenador-Executivo do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo.

A decisão do Ministério da Saúde não foi informada com antecedência ao Governo de São Paulo e coloca em risco a proteção de 228 mil pessoas que deveriam ter acesso a vacinas da Pfizer nos municípios paulistas. Por isso, a Secretaria da Saúde reforçou ao Ministério da Saúde a urgência na entrega completa de vacinas na proporção exata à população paulista.

O ofício do Governo de São Paulo enviado a Brasília nesta quarta está disponível no link https://issuu.com/governosp/docs/ofi_cio_gs_n_2242-2021.


SP tem 346 cidades sem óbitos por COVID-19 na última semana

O Governador ainda anunciou que o estado de São Paulo identificou 346 municípios sem registros de mortes por COVID-19 na última semana, indicando que mais de 53% das cidades paulistas não tiveram vítimas da doença desde 28 de julho. O balanço reflete o impacto positivo da campanha de vacinação para redução dos casos graves e mortes pela doença.

“É uma informação alentadora. Este último balanço é superior ao registrado entre 14 a 21 de julho, quando 288 municípios não tiveram registros de óbitos por COVID-19”, disse Doria. Também na última semana, 31 municípios não tiveram novos casos confirmados.

A constatação foi feita a partir de análise dos dados dos dias 28 de julho a 4 de agosto, que estão disponíveis para consulta pública no boletim oficial do Governo do Estado e foram registrados pelas 645 cidades paulistas no Sivep, sistema oficial do Ministério da Saúde. Os balanços são superiores aos identificados em comparação similar realizada no intervalo de 14 a 21 de julho, que apontava 288 municípios sem novos óbitos naquela semana, e 18 cidades sem casos.

São Paulo já vacinou mais de 80,6% de sua população adulta com pelo menos uma dose de vacina contra COVID-19. O Vacinômetro já superou um total de 38,1 milhões de doses aplicadas desde o início da campanha, somando 27,3 milhões de primeira dose, 9,7 milhões de segunda e 1 milhão de dose única. Mais de 23,3% da população geral de São Paulo já completou seu esquema vacinal, garantindo proteção completa contra a COVID-19.

A evolução da vacinação em São Paulo pode ser acompanhada no painel completo do Vacinômetro, no site https://vacinaja.sp.gov.br/vacinometro/, onde qualquer pessoa tem acesso a dados detalhados sobre doses aplicadas por município, distribuição de doses, ranking de vacinação, ranking de aplicação das doses distribuídas, evolução da aplicação de doses e estatísticas gerais do PEI.

Pré-cadastro virtual

Quem integra os públicos-alvo da campanha pode realizar um pré-cadastro no site Vacina Já, que facilita o andamento da imunização tanto para o usuário quanto para os profissionais de saúde. O preenchimento do formulário não é obrigatório, mas leva de um a três minutos e economiza até 90% do tempo de atendimento nos postos de vacinação.

Também é possível fazer o cadastro por meio de um assistente virtual no Whatsapp, fruto de parceria entre as Secretarias de Comunicação e da Saúde. O chatbot oferece ainda informações confiáveis sobre o Plano Estadual de Imunização, incluindo o calendário de vacinação atualizado, dados sobre o Plano São Paulo e tira-dúvidas sobre o coronavírus.

Para acessar o serviço no WhatsApp, basta adicionar o número +55 11 95220-2923 à lista de contatos e enviar um “oi” ou clicar no link wa.me/551.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »