28/03/2021 às 16h04min - Atualizada em 28/03/2021 às 16h04min

Por que pandemia e 'fique em casa' não geraram mais bebês no Brasil e no mundo

Para aqueles que pensavam que o lockdown encorajaria casais a procriar, houve uma surpresa: o baby boom não aconteceu

BBC
Estudo mostra que EUA e partes da Europa estão enfrentando quedas nas taxas de natalidade; número de nascimentos também caiu no Brasil
Um levantamento recente mostra que os EUA estão enfrentando a maior queda no número de nascimentos em um século e em partes da Europa o declínio é ainda mais acentuado.

Quando Frederike foi morar com seus pais para cuidar de um parente idoso no início da pandemia, ela pensou nisso como um presente, uma chance de passar um tempo com sua família. Mas, alguns meses depois, a alemã de 33 anos começou a sentir uma profunda sensação de perda.

Frederike é solteira e percebeu que a pandemia estava roubando a chance de ela conhecer alguém e começar uma família. "O tempo parece realmente precioso no momento e minha vida foi colocada em compasso de espera", diz. Ela tentou namorar online, mas fazer caminhadas no inverno em temperaturas abaixo de zero não encorajava qualquer romance.

Agora, quando ela está se sentindo desanimada, o mesmo pensamento gira obsessivamente em sua cabeça: "Quando isso acabar, vou ficar infértil". "Estou sentada em casa nos anos em que posso ter um filho."

A história relatada por Frederike está longe de ser um caso isolado e pode ser uma boa ilustração de uma das causas que têm levado à redução dos índices de crescimento populacional, o que na verdade não tem surpreendido os demógrafos.

Para demógrafos, redução da natalidade não foi surpresa

Para demógrafos, redução da natalidade não foi surpresa



'Sem surpresas'
"Tendo visto a gravidade da pandemia, não estou surpreso", diz Philip N. Cohen, professor de sociologia da Universidade de Maryland, nos EUA. "Mas ainda é chocante ver algo assim acontecer em tempo real."

Em junho do ano passado, economistas do Instituto Brookings, nos Estados Unidos, estimaram que os nascimentos nos EUA cairiam em 300 mil a meio milhão de bebês.

Ao mesmo tempo, uma pesquisa sobre planos de fertilidade na Europa mostrou que 50% das pessoas na Alemanha e na França que planejaram ter um filho em 2020 iriam adiá-lo. Na Itália, 37% disseram ter abandonado totalmente a ideia.

Um relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, órgão ligado ao Departamento de Saúde (equivalente ao Ministério da Saúde no Brasil) do país, indica uma queda de 8% nos nascimentos no mês de dezembro.

Os primeiros dados da Itália sugerem um declínio de 21,6% no início do ano e a Espanha está relatando sua menor taxa de natalidade desde o início dos registros — um declínio de 20%.

O Brasil também registrou redução. O número de nascimentos caiu de 2.774.323, em 2019, para 2.602.946, em 2020, queda de 6,2%, segundo dados do Portal da Transparência dos Cartórios.

Nove meses após o início da pandemia, França, Coreia, Taiwan, Estônia, Letônia e Lituânia relataram números mensais de nascimentos em dezembro ou janeiro, que foram os mais baixos em mais de 20 anos.

Joshua Wilde e sua equipe do Instituto Max Planck de Pesquisa Demográfica, na Alemanha, previram esse declínio e suas pesquisas mostram que o efeito — pelo menos nos Estados Unidos — deve durar meses.

Eles observaram a prevalência de termos de pesquisa do Google nos Estados Unidos — como o teste de gravidez. Em outubro, eles previram que até fevereiro haveria uma queda de 15,2% nos nascimentos.

Agora eles veem essa queda se estendendo até agosto. Seria a maior queda de nascimentos em mais de um século, durando mais do que o efeito da recessão de 2008 ou mesmo da Grande Depressão de 1929.

"Geralmente, o que encontramos nesses tipos de recessões e pandemias é que há um declínio no nascimento e uma recuperação", diz Wilde. "Você poderia imaginar que quando a primeira onda terminasse, todos falariam: 'chegou a hora de ter todos aqueles filhos que íamos ter'." Mas desta vez é diferente. "O que estou descobrindo é uma tendência contrária. Se as pessoas estão esperando, estão esperando muito tempo."

Número de nascimentos caiu 6% no Brasil entre 2020 e 2019''

Número de nascimentos caiu 6% no Brasil entre 2020 e 2019''



E algumas decidirão não ter mais filhos. Isso faz sentido para Steve. Nos últimos três anos, ele tem mantido a mesma conversa repetidamente com sua esposa. Ela quer outro filho, uma irmã mais nova para seus dois meninos. Mas ele está feliz com sua família de quatro pessoas.



"Então, todos os anos eu venho com desculpas", diz ele.

Ele tentou convencê-la de que a situação econômica na Nigéria, onde eles moram, é muito imprevisível, mas ela não acreditava nisso — até agora. "Pela primeira vez, por causa da covid-19, ela realmente concordou (em não ter mais filhos)."

Para um casal de classe média como Steve e sua esposa, os filhos são uma escolha. Mas não para todos. A agência de saúde sexual e reprodutiva da ONU afirma que a pandemia fez com que quase 12 milhões de mulheres em 115 países perdessem o acesso aos serviços de planejamento familiar e poderia resultar em 1,4 milhão de gravidezes indesejadas.

Só na Indonésia, o governo prevê que mais meio milhão de bebês nascerão por causa da pandemia.

Queda na natalidade tem forte componente econômico, dizem demógrafos

Queda na natalidade tem forte componente econômico, dizem demógrafos



Durante o lockdown, o governo enviou carros pelas vilas e cidades com mensagens de alto-falantes. "Pais, por favor, controlem-se", dizia a mensagem. "Você pode fazer sexo. Você pode se casar. Mas não engravide."

A agência nacional de planejamento familiar do país afirma que até 10 milhões de pessoas pararam de usar anticoncepcionais porque não conseguiam acessar clínicas ou farmácias naquela época. Então, por que a Europa e os EUA estão enfrentando uma redução no número de nascimentos?

Uma teoria para explicar isso é que as pessoas estão fazendo menos sexo. Um relatório do Instituto Kinsey da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, descobriu que 40% das pessoas pesquisadas, independentemente do sexo ou idade, relataram um declínio em sua vida sexual durante a pandemia.

Uma pesquisa menor na China produziu resultados semelhantes. No sul da Ásia, uma pesquisa não encontrou nenhum declínio. Marieke Dewitte, psicóloga e sexóloga da Universidade de Maastricht, na Holanda, diz que devemos ter cuidado para não inferir muito desses estudos.

"As pessoas reagem de maneira muito diferente à forma como essa pandemia afeta sua sexualidade e seu relacionamento", diz ela. "Para algumas pessoas, o estresse aumenta o desejo sexual e, para outras, acaba com o desejo sexual."

O que é mais convincente é o vínculo firme e estabelecido entre a economia e os bebês.

Ao longo da história em diferentes países, a confiança econômica levou a um aumento no número de nascimentos e a incerteza ao declínio. É o caso do Brasil, por exemplo, segundo demógrafos. Fatores econômicos têm um papel primordial no aumento — ou na diminuição — da população.

Na década de 80, quando o Brasil vivia um período de hiperinflação, Estados mais ricos, com maior planejamento familiar, registraram redução no número de nascimentos.

O país também tem um número significativo de gravidezes não desejadas ou planejadas.

Neste sentido, o adiamento da gestação fica restrito às classes sociais mais bem informadas, dizem os demógrafos. Na Europa, um levantamento descobriu que mulheres da Alemanha, da França e do Reino Unido que viviam nas áreas mais afetadas pela covid-19 eram mais propensas a adiar o parto.

Ao mesmo tempo, vários países mais ricos do norte da Europa que lidaram relativamente bem com a pandemia, como Holanda, Noruega, Dinamarca e Finlândia, relataram pouco ou nenhum declínio no número de nascimentos em dezembro ou janeiro.

'Um preço alto'
Tudo isso faz parte de uma tendência muito maior para o declínio dos nascimentos — o que preocupa algumas pessoas.

No futuro, se houver menos pessoas em idade ativa, haverá menos recolhimento de contribuições para pagar aposentadorias e cuidados de saúde para os idosos que, por sua vez, estão vivendo mais.

Existem soluções para este problema — aumentar a idade para a aposentadoria, por exemplo, ou encorajar a imigração — mas ambas têm implicações políticas. Muitos países tentaram aumentar o número de bebês nascidos com pouco sucesso. Quando as taxas de natalidade diminuem, é extremamente difícil convencer as mulheres a ter mais bebês.

"Depois da grande recessão de 2009, pode ter havido alguma recuperação, mas não voltou ao nível de antes", diz Cohen. "Certamente, nos Estados Unidos, as taxas de fertilidade nunca se recuperaram dos níveis anteriores à recessão."

Neste contexto em que as mulheres estão mais velhas quando começam a pensar em ter filhos, a janela de tempo que têm para conceber é mais curta. Frederike sente que seu tempo está acabando, mas está se sentindo mais otimista no momento. Ela está pensando em congelar seus óvulos ou ter um filho com um amigo gay — ou talvez não ter nenhum filho — e isso lhe deu um senso de controle. "Estou feliz por fazer isso para proteger os idosos, mas é um preço bastante alto."

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »