04/01/2019 às 15h55min - Atualizada em 04/01/2019 às 15h55min

A banda que está conquistando o Brasil

Lagum

Thais Palhares
Assessoria de Imprensa
Quando os novos ouvintes curiosos e a imprensa chegam à banda, a primeira pergunta é sempre a mesma: “Por que Lagum?”. E eles respondem. O nome veio de uma lagoa em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte, cidade onde uma parte da banda surgiu com Pedro Calais (vocalista e compositor) e o guitarrista Jorge, com mais de 11 anos de amizade.
 
A banda começou as atividades, oficialmente, em 2014, quando Pedro decidiu, despretensiosamente, postar uma música no Facebook. Os amigos começaram a compartilhar, até que a novidade chegou a um contratante mineiro. O primeiro show já estava marcado, então, o vocalista trilhou o caminho contrário e foi atrás de amigos que tocavam algum instrumento para, finalmente, montar uma banda completa. Com quatro ensaios o show foi marcado e, no dia, 500 pessoas entraram – e 500 ficaram para o lado de fora.
 
O êxito do primeiro show foi um trampolim para que os mineiros fossem chamados diversas vezes para se apresentarem. Entre um show e outro a banda – agora formada – começou a gravar canções de forma caseira, lançando no Youtube e recebendo cada vez mais feedbacks positivos, quando o trabalho começou a ganhar corpo.


 
Em 2015, a banda participou da coletânea “New Acts #1”, com curadoria do produtor Rick Bonadio, no estúdio Midas Music, na capital paulista, onde gravaram o primeiro single “Sem Hora”; foram finalistas do Breaktime Sessions, concurso nacional de bandas promovido pela RedBull e vencedores do concurso de bandas Palco 98FM.
 
Cada vez mais as portas estavam se abrindo, quando em 2016 decidiram lançar o primeiro disco, com oito faixas, intitulado “Seja o Que Eu Quiser”. Foram 4 mil discos prensados e, a cada show, a banda jogava vários CDs na plateia. Com o tempo, o público mineiro já estava conectado à Lagum, tocando nos carros e fazendo parte do início de uma nova fase.
 


Foi o “start” para que começassem a inovar, usando humor para se comunicar com o público nas redes sociais, produzindo videoclipes por conta própria e construindo um lifestyle para a banda. Hoje, Pedro Calais (vocal), Otávio Cardoso e Glauco Borges (guitarras), Francisco Jardim (baixo) e “Tio” Wilson (bateria) surpreendem com o alcance no universo digital. Até outubro, já são mais de 156K no canal oficial do Youtube e 63K de seguidores no Instagram.

 


Com as canções do primeiro álbum na ponta da língua do público, o grupo mineiro, em maio deste ano (2018) assinou com a Sony Music, integrando ao cast principal da gravadora, que abriga grandes nomes nacionais e internacionais.

Para Pedro: “A contratação nada mais é do que um próximo passo que era inevitável para a banda continuar indo em frente. É uma união com outra empresa que vai fortalecer nosso trabalho e fazer com que a nossa mensagem chegue até mais pessoas. Pra mim, Lagum envolve a minha vida inteira, desde a hora que eu acordo até a hora que vou dormir, e isso é uma grande conquista não só para a minha carreira, mas para a minha vida. Estou muito feliz”.
 
No mesmo mês, a banda lançou o single “Bem Melhor”, que sucedeu as canções autorais “A Gente Nunca Conversou (Ei Moça)”, “Telefone”, “Eu Não Valho Nada” – que ganhou versão eletrônica com KVSH e Samhara –, “Não Vou Mentir”, “Samba” e a versão de “Deixa”, com participação de Ana Gabriela, canção que estourou e já acumula mais de 21.4MM de streams no Spotify e 7MM de visualizações no clipe oficial.
 
E as conquistas, refletidas nos números que aumentam a cada dia, estão fortemente ligadas à união que a banda transmite. Hoje é a banda mineira mais tocada do Spotify, abriram shows de nomes como Criolo, Lenine, Natiruts e Skank, foram aposta da Rádio Globo (2017), em meio a Copa do Mundo o jogador Neymar publicou a canção “Deixa” nas redes sociais e, recentemente, se apresentaram no programa “Só Toca Top” (Rede Globo), que despertou nos integrantes o entusiasmo que sempre os motivou em cima do palco.
 


“Tinha muito tempo que eu não sentia ansiedade para subir no palco. Qualquer público a gente mata no peito, mas quando a gente foi tocar lá eu tremi”, contou Pedro.
 
Para completar quatro anos de carreira, hits emplacados, milhares de fãs pelo país e a vontade de continuar fazendo o que amam e acreditam, a ideologia segue forte nessa caminhada: “Sejem maneiros”

.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »