21/06/2019 às 10h26min - Atualizada em 21/06/2019 às 10h26min

Mercado de soja e milho são temas de encontro técnico

Assessoria de Imprensa
Foto: Divulgação
Mercado nacional e internacional de soja e de milho, cenário de preços, guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, perspectivas para o segundo semestre deste ano, estoques brasileiros e americanos, e rentabilidade do setor. Estes foram alguns dos assuntos abordados no IV Encontro Técnico sobre as culturas de da soja e do milho no Noroeste Paulista. Promovido pela Fundação Agrisus – Agricultura Sustentável, e apoiado pelo SIRAN (Sindicato Rural da Alta Noroeste), o evento foi realizado no auditório do recinto de exposições Clibas de Almeida Prado, em Araçatuba (SP), e contou com a participação de dezenas de produtores rurais da região.
 
As questões de mercado foram apresentadas pelo analista da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), Leonardo Amazonas, que falou em cenário desafiador. "A guerra comercial entre Chine e Estados Unidos, assim como o panorama interno do Brasil causam instabilidade no mercado. Sendo assim, o produtor precisa ter os  custos em mãos, e negociar quando houver oportunidades, e elas certamente vão surgir", comentou.
 
De acordo com o diretor do SIRAN, Thomas Rocco, o evento foi proveitoso, pois, na medida em que fornece informações científicas e de mercado, embasadas em análises de autoridades no assunto "tem relevância na tomada de decisões do produtor, já que impacta diretamente no resultado dos investimentos". Também foram palestrantes o pesquisador do IAC (Instituto Agronômico), Wander Luís Barbosa Borges, que apresentou resultados de ensaios de soja e de milho, e o professor de Unesp, Paulo Arbex, com o tema "A Qualidade da semeadura – Impactos na produtividade".
 
Os encontros técnicos têm por objetivo divulgar os materiais de soja mais adaptados e produtivos na região; veicular informações que possam contribuir para a utilização das áreas na reforma de pastagens, assim como para a utilização das áreas agrícolas de renovação de canaviais para fins de produção de grãos; fomentar o sistema de semeadura direta no Noroeste Paulista; capacitar profissionais democratizando o acesso à tecnologia; disponibilizar informações técnicas do programa Boa Cobertura – Produção de soja sobre palhada de cana-de-açúcar.
 
Produtividade e sustentabilidade
 
Segundo a Fundação Agrisus, no Brasil, diversas políticas governamentais têm como objetivo encorajar ações de desenvolvimento socioeconômico atreladas às questões de proteção e de sustentabilidade ambiental. O tema tem grande importância e interesse na atualidade, principalmente em função de o país assumir o compromisso internacional de recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas até 2020, e, com isso, contribuir na redução da emissão dos gases de efeito estufa.
 
Neste contexto, a adoção de sistemas integrados se justifica pela necessidade de associar a produção agropecuária com serviços ambientais, como sequestro de carbono, aumento de estoque e qualidade de água, conservação do solo, diminuição da erosão e aumento da biodiversidade dos sistemas produtivos. Assim, a introdução de culturas graníferas em áreas de reforma de pastagens é uma estratégia para obtenção de modelos de produção mais conservacionistas no que tange a manejo do solo.
 
Além disso, com a expansão da canavicultura na região, surge um nicho importante para a sojicultura na renovação dos canaviais. Por ser uma tecnologia recente, a produção de soja sobre a palhada de cana-de-açúcar, na renovação de canavial com colheita sem queima, tem gerado muitas dúvidas, principalmente com relação aos cultivares recomendados para esta condição. Concomitante a isto a ampla adoção do sistema de plantio direto tem como barreira, ainda, a falta de divulgação de informações e o treinamento dos produtores.
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »