16/02/2018 às 15h01min - Atualizada em 16/02/2018 às 15h01min

Equipe do CCVZ alerta crianças de projeto social sobre alto índice de infestação do Aedes aegypti

Assessoria de Imprensa
O setor de Informação, Educação e Comunicação do CCVZ (Centro de Controle de Vetores e Zoonoses) de Birigui está percorrendo escolas e projetos sociais do município com o objetivo de alertar as crianças sobre o alto índice de infestação do Aedes aegypti e a importância de manter vistoria diária em casa, eliminando potenciais criadouros do mosquito.

Nesta sexta-feira, dia 16 de fevereiro, os educadores de saúde Marco Antônio Sanchez e Djalma da Silva Ribeiro estiveram no CAC (Centro de Atendimento à Criança), no bairro Vila Bandeirantes. “Estamos alertando as crianças sobre o alto índice de infestação de larvas, os perigos da dengue e outras doenças, e pedindo a ajuda no combate ao mosquito”, explicou Sanchez.

O trabalho integra as ações emergenciais de prevenção e combate ao transmissor da dengue, chikungunya, zika vírus e febre amarela, que tiveram início na última quarta-feira com mutirão nos bairros Cidade Jardim e Vila Bandeirantes. O Liraa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti) realizado na primeira quinzena de janeiro teve o resultado de 10,2%.

MUTIRÕES

Cerca de 30 agentes comunitários de saúde e de combate a endemias concluíram nesta sexta-feira mutirão nos bairros Residencial Braguim, Parque Residencial Pinheiros, Parque Pinheiros, Jandaia 1 e 2, Jardim Planalto, Jardim Ypê e Residencial Prefeito Mário Crem dos Santos. Houve eliminação de criadouros das residências, comércios e terrenos baldios.

A partir de segunda-feira (19), serão vistoriados os bairros Vila Germano, Vila Guarujá, Parque São Vicente, Jardim Bolelli, Bosque da Saúde 1 e 2, São Cristovão, Perdizes, Jardim Sumaré, Village Dhama, Vila Staff e Jardim Santa Izabel. Além dos mutirões, foi intensificado também o monitoramento regular dos pontos estratégicos e imóveis especiais, como escolas, hospitais, ferros-velhos, borracharias, entre outros.

“Precisamos que toda a comunidade faça a sua parte, realizando diariamente a limpeza dos bebedouros dos animais e reservatório atrás da geladeira, não deixando acumular água em vasos de plantas, calhas, pneus e materiais recicláveis, além de manter o quintal de casa sempre limpo. Não podemos deixar o mosquito nascer”, orientou Sanchez.

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »