13/02/2019 às 15h28min - Atualizada em 13/02/2019 às 15h28min

Refeição sem pressa

A mastigação adequada auxilia no processo digestivo dos alimentos, além de promover maior saciedade e prevenir alguns problemas. Saiba mais

Unimed
Além de eleger alimentos saudáveis para integrar a dieta, um dos cuidados essenciais de quem se preocupa em manter a saúde em dia é ter atenção com a mastigação, considerada uma importante etapa do processo de digestão.




Mastigação correta é sinônimo de comer devagar, apreciando os sabores e texturas dos alimentos e, de preferência, sentado e em um ambiente tranquilo. Portanto, mesmo diante de uma rotina atribulada, é importante parar alguns minutos e se desligar dos afazeres para se alimentar adequadamente. A principal regra é: digerir os alimentos após a completa trituração, ou seja, nada de colocar na boca e já engolir.

Os dentes têm papel essencial nesse processo. Cada um tem uma função específica. Enquanto os incisivos (da frente) cortam os alimentos, os pré-molares trituram a comida e os molares (do fundo) pulverizam o bolo alimentar que se forma para ser engolido. Por outro lado, a mastigação adequada também beneficia o tônus muscular da boca e da língua e ajuda a evitar alterações na arcada dentária.



Os benefícios de uma mastigação correta são inúmeros. Um dos principais é colaborar para a saciedade. Isso porque, à medida que a pessoa mastiga várias vezes os alimentos, ela se sente mais saciada, e o que é melhor, ingerindo uma quantidade menor de comida. 

Pesquisas sugerem que a mastigação lenta favorece a comunicação entre o estômago e o cérebro e a maior liberação de hormônios da saciedade.



 Além de aliada ao combate à obesidade, a boa mastigação é importante desde a infância, quando contribui para o fortalecimento da musculatura da bochecha e pode estimular a fala e a dentição.  Ela também favorece a absorção dos nutrientes pelo organismo e ajuda a evitar crises de refluxo.

Já quem mastiga de forma muito rápida pode estar contribuindo para o surgimento de problemas digestivos, como a gastrite. Isso porque, nesse processo acelerado, o organismo precisa secretar maior quantidade de suco gástrico para digerir a comida. Úlcera, duodenite e dispepsia, que é a má digestão, também entram nessa lista.

Consequências indesejáveis



Entre as principais consequências de uma mastigação errada e apressada podem estar: estufamento do abdômen, azia, constipação intestinal, gases abdominais, náuseas, surgimento de aftas e até de dores de cabeça.

Aliados da boa mastigação

- Coloque pequenas quantidades de alimentos no garfo ou colher para que a mastigação seja confortável

- Mastigue de 20 a 30 vezes cada porção, alternando os lados da boca

- Conscientize-se de que o momento ideal para engolir a comida é quando ela está totalmente triturada e com saliva

- Mantenha a boca fechada enquanto mastiga os alimentos, para que o ar não favoreça o surgimento de gases

- Reduza a velocidade entre uma garfada e outra

- Evite consumir líquidos para ajudar a engolir os alimentos

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »