21/09/2018 às 10h47min - Atualizada em 21/09/2018 às 10h47min

Três brasileiros avançam ao bloco final de disputas no segundo dia do Mundial de Baku

Érika Miranda (52kg) está na semifinal, enquanto Jéssica Pereira (52kg) e Daniel Cargnin (66kg) lutarão a repescagem a partir das 9h (Brasília)

CBJ
Foto: Rodolfo Vilela/ rededoesporte.gov.br
O Brasil tem três judocas classificados para o bloco final de disputas no segundo dia do Campeonato Mundial, em Baku, Azerbaijão. Érika Miranda está em mais uma semifinal de Mundial e enfrentará a atual campeã do mundo, Ai Shishime, do Japão. Os novatos Jéssica Pereira (52kg) e Daniel Cargnin (66kg) também foram bem nas preliminares e chegaram à repescagem de suas categorias, onde disputarão uma vaga na luta pelo bronze. Cargnin enfrentará o mongol Kherlen Ganbold, enquanto Jéssica medirá forças com a israelense Gefen Primo.

Charles Chibana também lutou nesta sexta-feira, 21, mas caiu na segunda rodada diante do alemão Sebastian Seidl. 

As repescagens, semifinais e finais começarão às 9h (Brasília) e serão transmitidas no Brasil ao vivo pelo SporTV 2.

RESUMO DAS PRELIMINARES

- Érika Miranda (52kg)


Em seu 9º Mundial, Érika Miranda usou toda sua experiência para dominar Katri Kakko, da Finlândia, na primeira luta, projetar duas vezes por waza-ari e vencer sua primeira luta em Baku.  

Em seguida, Miranda enfrentou a eslovena Petra Nareks em luta mais equilibrada. A brasileira levou a melhor, forçando três punições à adversária e, assim, garantindo-se nas quartas-de-final do Mundial.

Na terceira luta, Érika manteve a consistência e venceu Charline Van Snick, da Bélgica, com por ippon (dois waza-ari) para chegar à semifinal. 

- Jéssica Pereira (52kg)

Outra estreante em Mundiais adultos, Jéssica Pereira foi eficiente na primeira luta e venceu por ippon, imobilizando a vietnamita Thuy Nguyen. 

Nas oitavas, Jéssica enfrentou a australiana Tinka Easton e logo abriu um waza-ari de vantagem. Nos segundo finais, Easton empatou o duelo e a decisão ficou para o golden score, onde Jéssica conseguiu a finalização fazendo a adversária bater para desistir do combate. 

Nas quartas, a japonesa Uta Abe imobilizou Jéssica até o ippon e a brasileira foi para a repescagem, onde derrotou a israelense Gefen Primo por waza-ari e classificou-se para a disputa de bronze.  

- Daniel Cargnin (66kg)

Estreante em Campeonatos Mundiais adultos e atual campeão mundial júnior, Daniel Cargnin bateu o bósnio Petar Zadro em sua primeira luta em Baku. O brasileiro abriu um waza-ari de vantagem, mas cedeu o empate. No golden score, ele conseguiu uma projeção perfeita para vencer por ippon e avançar à segunda rodada.  

Nessa fase, Cargnin encarou Nijat Shikhalizada e a torcida azeri. O brasileiro começou perdendo por um waza-ari, mas reagiu e empatou a luta no tempo normal. No golden score, Daniel se impôs e projetou Shikhalizada mais uma vez para silenciar a National Gymnastics Arena, em Baku, avançando às oitavas-de-final. 

Contra Pavel Petrikov, Daniel foi mais rápido e pontuou com dois waza-ari (ippon) em menos de um minuto para se garantir nas quartas-de-final. 

Nas quartas, Daniel foi para cima do atual líder do ranking mundial, o israelense Tal Flicker, e fez o seu terceiro golden score na competição. Depois de seis minutos de batalha e com duas punições para cada lado, Flicker conseguiu pontuar com um waza-ari para se classificar à semifinal do Mundial. E Daniel foi para a repescagem. 

- Charles Chibana (66kg)

Charles Chibana foi, literalmente, o primeiro a entrar no tatame neste segundo dia de competições. Ele enfrentou o espanhol Alberto Gaitero em luta equilibrada que foi decidida na diferença de punições e no golden score. A luta começou com ambos sendo punidos por passividade, mas Chibana reagiu e foi agressivo para forçar um segundo shido à Gaitero. O equilíbrio se manteve no golden score e, sem ataques efetivos, ambos foram punidos novamente por passividade. Com isso, Gaitero foi desclassificado por hansoku-make e Chibana avançou à segunda rodada do Mundial.   

Em sua segunda luta, porém, Charles foi superado pelo alemão Sebastian Seidl, que conseguiu pontuar com um waza-ari e administrou a vantagem até o final da luta. 

"O adversário ficou esperando para contragolpear e foi o que aconteceu. Houve uma chance para eu poder jogar, tentei aproveitar, só que ele já estava esperando. Tentei ir para cima, jogar, meu estilo é esse. Mas, acabei errando", explicou Chibana ao sair do tatame. "Esporte é isso. Um dia ganhamos, no outro vencemos. Quem está no tatame está propenso a isso. O que a gente aprende no judô é levantar e prosseguir. É o que vou fazer", concluiu.

 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »