26/04/2018 às 10h51min - Atualizada em 26/04/2018 às 10h51min

Tomar café durante a gravidez pode aumentar risco de sobrepeso na infância

Uma nova pesquisa sugeriu que tomar café durante a gravidez pode ter um impacto na obesidade infantil (Foto: Getty)
As mulheres grávidas sabem que a cafeína não é um bom componente para a sua própria saúde e a de seus bebês, mas tomar uma ou outra xícara de café não vai fazer mal a ninguém, certo?

Bom, segundo uma nova pesquisa, mulheres que tomam duas xícaras de café durante a gestação podem estar aumentando o risco de que seus filhos sofram de sobrepeso.
O estudo, liderado por especialistas do Instituto Norueguês de Saúde Pública e publicado na revista científica BMJ Open, monitorou 51 mil mães e filhos na Noruega entre 2002 e 2008.

Os pesquisadores mensuraram a ingestão diária de cafeína – em chocolates, chás, refrigerantes e cafés – em mulheres com 22 semanas de gestação.

Elas foram divididas em grupos, dependendo do nível do consumo de cafeína.

A ingestão foi considerada baixa entre 0mg a 49mg de cafeína, média entre 50mg e 199mg, alta entre 200mg e 299mg, e muito alta em casos acima de 300mg.

Os resultados revelaram que bebês expostos a altos níveis de cafeína no útero pesavam em média meio quilo a mais aos oito anos de idade, em comparação com crianças expostas a patamares baixos de cafeína.

A exposição a qualquer nível de cafeína no útero foi associada a um risco mais alto de sobrepeso infantil nas idades entre três e cinco anos.

No entanto, apenas a ingestão muito alta de cafeína foi relacionada ao excesso de peso aos oito anos.

Crianças expostas a mais cafeína pesam mais

Em média, crianças expostas a níveis muito altos de cafeína pesavam 480 gramas a mais do que as crianças que haviam sido expostas a níveis baixos.

Para as mulheres pertencentes ao grupo de baixa ingestão de cafeína, equivalente a menos de uma xícara de chá por dia, cerca de 11% de seus filhos estavam acima do peso aos três anos. No grupo de ingestão média o índice ficou em 12%, comparado com 14% no grupo de ingestão alta, e 17% no de ingestão muito alta.

As descobertas parecem desafiar as recomendações atuais de limitar, sem a necessidade de eliminar, a cafeína durante a gestação.

O NHS (Serviço Nacional de Saúde Britânico) aconselha que as mulheres consumam menos de 200mg de cafeína por dia, citando riscos de aborto espontâneo e de dificuldades de crescimento do feto no útero.

Caso você não saiba o que equivale a 200mg de cafeína, uma caneca de café coado contém 140mg de cafeína, uma caneca de café instantâneo contém 100mg, e uma xícara de chá contém 75mg.

No entanto, a cafeína também está presente em alimentos como o chocolate, com cerca de 10mg em uma porção de 50g de chocolate ao leite.

Como o estudo foi observacional, os pesquisadores não conseguiram provar a relação de causa e efeito, mas eles acreditam que os resultados sugerem que as grávidas devem cortar completamente o consumo de cafeína durante a gestação.

Pesquisas anteriores sobre a ingestão de cafeína na gravidez

Um estudo anterior associou a ingestão de cafeína a um risco mais alto de aborto espontâneo e restrição do crescimento fetal.

Diversos alertas direcionados às mulheres grávidas foram feitos recentemente. No começo deste mês as futuras mães que tomam analgésicos durante a gravidez foram alertadas a respeito da possibilidade de que isso afete a fertilidade de seus filhos na vida adulta.

Outra pesquisa concluiu que mulheres grávidas que tomam ibuprofeno podem estar prejudicando a fertilidade de suas filhas no futuro.

Além disso, um novo estudou descobriu que o uso de analgésicos durante a gestação também pode prejudicar a fertilidade dos próximos filhos, o que tem um impacto tanto nas meninas quanto nos meninos.

No mês passado foi revelado que uma em cada 14 mulheres que teve filhos em 2016 fumou cigarros durante a gravidez.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »