03/08/2021 às 09h41min - Atualizada em 03/08/2021 às 09h41min

Vôlei: seleção masculina supera Japão e pega Comitê Russo na semi

Adversários venceram brasileiros na fase de classificação

Agência Brasil
Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins/Direitos Reservados
O time brasileiro de vôlei masculino, atual campeão olímpico, derrotou o anfitrião Japão por 3 sets a 0 na terça-feira para chegar às semifinais, em que enfrentará o Comitê Olímpico Russo (ROC), que venceu o Canadá também por 3 sets a 0.

O Japão avançou às quartas de final pela primeira vez em 29 anos, mas o atual campeão Brasil derrotou os anfitriões por 25/20, 25/22 e 25/20 na Ariake Arena, com saques e ataques poderosos.

O maior pontuador foi Leal, com 16 pontos, seguido por Wallace (13 pontos) e Lucarelli (12).

"Fomos muito agressivos no saque porque sabemos que eles têm uma boa recepção, eles têm jogadas muito dinâmicas e rápidas", disse o levantador e capitão Bruno Rezende. "Então, tivemos que forçar nosso saque de forma agressiva e tentar fazer o levantador jogar com bolas ruins para colocar pressão". 

Na semifinal, na quinta-feira (5), o Brasil enfrentará os russos, que derrotaram os brasileiros na fase de classificação por 3 sets a 0.

"Temos que estudar muito e focar no que temos que fazer melhor do que o que fizemos na primeira partida", disse Bruno. "Será com certeza uma grande batalha."

Laís Nunes perde no torneio feminino de wrestling

Foto: Piroschka van de Wouw

Foto: Piroschka van de Wouw


A brasileira Laís Nunes foi superada pela búlgara Taybe Yusein por 4 a 1 nas oitavas de final da categoria até 62 kg no estilo livre do wrestling na Olimpíada de Tóquio (Japão). A luta foi disputada na noite desta segunda-feira (2) no Centro de Convenções Makuhari Messe.

A brasileira ainda depende dos próximos resultados da adversária para saber se terá chances de disputar a repescagem.

No último domingo (1), na categoria até 76 kg no estilo livre, Aline Silva já havia perdido para a turca Yasemin Adar por 6 a 0. Eduard Soghomonyan, único representante brasileiro no masculino, acabou sendo superado pelo alemão Eduard Popp por 2 a 0, na categoria até 130 kg no estilo greco-romano.

Brasileiros não avançam às finais no atletismo

Foto: Gaspar Nobrega/COB/

Foto: Gaspar Nobrega/COB/


Um grupo de 10 brasileiros entrou no Estádio Olímpico para participar de quatro provas na abertura de mais um dia de atletismo na Olimpíada de Tóquio (Japão) na noite desta segunda-feira (2).

Porém, nenhum deles conseguiu avançar às disputas por medalhas. Nos 1500 metros (m) rasos, o brasileiro Thiago André finalizou a sua bateria na 13ª colocação, com o tempo de 3min47s71, e foi eliminado. “A prova é muito dura, tem muito contato físico, ainda mais valendo classificação. Ocorreram muitos toques, tive um pisão no pé que está doendo bastante, mas não foi motivo para sair da prova. Mas na última queda, do atleta do Qatar, tive que sair da pista e tinha uma câmera, eu tive que parar para depois voltar. Não sei se foi uma prova ou um ringue de boxe. Como não fui bem nos 800 m, entrei hoje para relaxar, dar meu melhor e ganhar experiência para o próximo ciclo”, declarou o atleta ao Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Já na prova do salto triplo, o Brasil contou com a participação de três atletas. No grupo A, Alexsandro Melo, após saltar 15,65 m na primeira oportunidade, se lesionou e abandou a prova. Na mesma chave, Mateus de Sá conseguiu 16,49 m. No grupo B, Almir Júnior não passou de 16,27 m e também foi eliminado na fase inicial.

“Estou feliz, orgulhoso, comecei a prova bem, no primeiro salto fiz 16,49 m. Acho que faltou um pouco de tranquilidade quando vi que estava ali na briga. Tinha que saltar para melhorar minha marca. Agora a gente encerra o ciclo Tóquio, começa o ciclo Paris, e tenho certeza de que chegarei maduro, mais preparado”, declarou Mateus Sá.

Alison dos Santos é bronze nos 400 m com barreiras

O brasileiro Alison dos Santos conquistou a medalha de bronze na prova dos 400 metros (m) com barreiras da Olimpíada de Tóquio (Japão), na noite desta segunda-feira (2) no Estádio Olímpico.

Foto: Gaspar Nóbrega/COB

Foto: Gaspar Nóbrega/COB


Essa foi a primeira medalha do atletismo do Brasil na atual edição dos Jogos Olímpicos. O paulista de 21 anos cravou o tempo incrível de 46s72, quebrando o recorde sul-americano e baixando pela primeira vez a marca de 47 segundos.

O ouro ficou com o norueguês Karsten Warholm, que quebrou o recorde mundial fechando a prova, pela primeira na história, em menos de 46 segundos (45s94). O norte-americano Rai Benjamin ficou com a prata com a marca de 46s17.

“Foi uma prova louca, uma prova muito forte, uma prova histórica onde fizeram o que achavam que era impossível, quebrar a barreira dos 46s. Três atletas correram abaixo de 47s, a prova mais rápida da história, e fico muito feliz por fazer parte disso”, declarou Alison dos Santos, após a prova, ao Comitê Olímpico do Brasil.

Tiffani Marinho representou o Brasil nos 400 m rasos. Com o tempo de 52s11, ela saiu forte e chegou a estar entre as três primeiras, que avançam diretamente, mas perdeu fôlego e finalizou em quinto, e não foi adiante no torneio.

Jucilene Lima, no arremesso de dardo, ficou com a marca de 60,14 m, fechando na 6ª posição do Grupo A. Na chave B, a brasileira Laila Ferrer obteve a 10ª posição com 59,47 m. A dupla foi eliminada na primeira fase.

Nos 200 m rasos, Jorge Vides acabou a primeira bateria em quarto lugar com 20s94. “O resultado não foi o esperado. Venho treinando muito forte. Não saí da maneira como deveria ter saído, e meu forte é o final de prova. Por não ter acelerado bem, não consegui sair da curva para reta mais forte, mas agora é pensar no revezamento, pois temos chance de medalha”, comentou o velocista. Na terceira bateria, Aldemir Júnior fez apenas 20s84. Na quinta série, Lucas Vilar fez 21s31, fechando em sexto lugar. O trio verde e amarelo não conseguiu seguir adiante.

Ginástica artística: Flávia Saraiva fica na sétima posição na trave

Foto: Mike Blake

Foto: Mike Blake


Fechando a participação brasileira na ginástica artística, a carioca Flávia Saraiva representou o país nesta terça-feira (3) na final da prova da trave na Olimpíada de Tóquio e ficou na sétima posição. Flavinha, de 20 anos, somou um total de 13.133 pontos na tabela de classificação. A disputa aconteceu no Centro de Ginástica de Ariake, na capital Tóquio.

A ginasta brasileira foi a sétima competidora a se apresentar. Logo no início de sua atuação, ela se desequilibrou duas vezes. Na sequência, Favinha precisou colocar a mão no aparelho, o que lhe tirou as chances de subir ao pódio. Flávia Saraiva teve desempenho pouco inferior ao obtido na última edição dos Jogos Olímpicos. Na Rio 2016, a ginasta encerrou como a quinta colocada.

A ginástica artística brasileira conquistou duas medalhas em Tóquio. A paulista Rebeca Andrade levou medalha de prata na prova individual geral e ouro no salto.

Pódio com Simone Biles

Foto: Mike Blake

Foto: Mike Blake


Quem voltou a competir foi a norte-americana Simone Biles, que desistiu de participar das provas do individual geral, barras assimétricas, salto e da final por equipes, alegando problemas emocionais. Hoje (3), ela conquistou a medalha de bronze, tendo obtido 14.000 pontos.

Já as chinesas Chenchen Guan e Xijing Tang colocaram no peito as medalhas de ouro e prata, respectivamente.

Foto: Mike Blake

Foto: Mike Blake


Martine Grael e Kahena Kunze são bicampeãs olímpicas na classe 49er FX

A dupla brasileira Martine Grael e Kahena Kunze conquistou o bicampeonato olímpico da classe 49er FX da vela no início da madrugada desta terça-feira (3) na Marina de Enoshima. A confirmação do ouro na Olimpíada de Tóquio (Japão), com 76 pontos perdidos, veio com a terceira colocação na regata da medalha.

Foto: Carlos Barria

Foto: Carlos Barria


A dupla da Alemanha Tina Lutz e Susann Beucke fechou a prova desta terça na quinta colocação, e ficou com a medalha de prata, com 83 pontos perdidos. As holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz foram a nona melhor dupla na regata decisiva e fecharam o pódio, conquistando o bronze com 88 pontos perdidos.

Foto: Júlio César Guimarães/COB

Foto: Júlio César Guimarães/COB


Antes da prova final, a dupla holandesa liderava com 70 pontos, as brasileiras apareciam em segundo também com 70 e as alemãs vinham logo atrás com 73 pontos. A regata da medalha ofereceu pontuação dobrada em relação às provas tradicionais e teve duração de 20 minutos, dez a menos que as outras 12 disputadas anteriormente. Nessa regata decisiva, a dupla primeira colocada perdeu 2 pontos. Aquelas que ficaram em segundo lugar perderam 4 pontos, e assim por diante.

Isaquias Queiroz e Jacky Godmann ficam em 4º em Tóquio

Os brasileiros Isaquias Queiroz e Jacky Godmann terminaram a prova do C2 1000 metros (m) da canoagem de velocidade da Olimpíada de Tóquio (Japão) na 4ª posição, com o tempo de 3min27s603, na noite desta segunda-feira (2) no Canal Sea Foreste.

Foto: Wander Roberto/COB

Foto: Wander Roberto/COB


O ouro ficou com os cubanos Serguey Torres Madrigal, com o tempo de 3min24s995 (novo recorde olímpico da prova), a prata foi para os chineses Hao Liu e Pengfei Zheng, com 3min25s198, e o bronze foi para os alemães Sebastian Brendel e Tim Hecker, com 3min25s615.

“Fizemos o que tinha que fazer. Fomos bem, queríamos a medalha, mas para a gente, que treinou pouco tempo, um quarto lugar é uma boa colocação. Mas queríamos mais”, declarou Isaquias após a prova para o Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Mas agora, o medalhista olímpico volta as suas atenções para o C1 1000 m, onde ainda terá a oportunidade de conquistar uma medalha nos Jogos de Tóquio, mas desta vez sozinho: “Agora é hora de virar a chave e focar no C1 1000 m, daqui a dois dias”.

Ana Patrícia e Rebecca dão adeus no vôlei de praia

As brasileiras Ana Patrícia e Rebecca se despediram do torneio de vôlei de praia da Olimpíada de Tóquio (Japão) após serem derrotadas pelas suíças Joana Heidrich e Anouk Verge-Depre por 2 sets a 1 (parciais de 19/21, 21/18 e 12/15) nas quartas de final da competição, na noite desta segunda-feira (2) no Parque Shiokaze.

Foto: Miriam Jeske/COB

Foto: Miriam Jeske/COB


Com a eliminação de Ana Patrícia e Rebecca, o Brasil não tem mais representantes no torneio feminino de vôlei de praia, após Ágatha e Duda serem eliminadas, nas oitavas de final, no último domingo (1), pelas alemães Laura Ludwig e Margareta Kozuch.
 
Abner fatura 1º bronze no boxe; Bia vence e avança à semi em Tóquio

Foto: Gaspar Nóbrega/COB

Foto: Gaspar Nóbrega/COB


O boxe brasileiro conquistou na manhã desta terça-feira (4) uma medalha de bronze na  Olimpíada de Tóquio (Japão) com Abner Teixeira (91 quilos) e assegurou outra, antecipadamente, com a peso leve Bia Ferreira, única que venceu nesta terça-feira (3), na Arena Kokugikan, na capital japonesa. Favorita ao ouro, a campeã mundial avançou às semifinais na categria até 63 kg. Como na modalidade não há disputa de terceiro lugar, quem ganha nas quartas já garante o bronze. O país tem ainda um terceiro bronze encaminhado com Hebert Conceição (75 kg) que disputa a semi na quinta (5), às 3h (horário de Brasília). 

Foto: Wander Roberto/COB

Foto: Wander Roberto/COB


Primeiro brasileiro a chegar à semifinais do boxe nos Jogos de Tóquio, o peso-pesado Abner Teixeira, de 24 anos, ficou com o bronze após ser superado por 4 a 1, em decisão dos juízes, pelo experiente cubano Julio La Cruz, tetracampeão mundial amador e ouro na Rio 2016. 

Foto: Gaspar Nóbrega/COB

Foto: Gaspar Nóbrega/COB


A primeira a entrar no ringue na madrugada desta terça (3) foi a campeã mundial Bia Ferreira, que se classificou  à semifinal na categoria até 60 kg, após atropelar a uzbeque  Raykhona Kodirova, com vitória unânime dos juízes (5 a 0). Favorita ao ouro, a baiana terá pela frente na semi a finlandesa Mira Potkonen. O duelo está programado para às 2h (horário de Brasília) de quinta-feira (5). 

"Já consegui a mãe de todas, agora só falta mudar a cor dela", disse a atleta, em depoimento ao Comitê Olímpico do Brasil (COB). "A meta é ouvir o meu hino no alto do pódio. Treinei muito e imaginei várias vezes estar aqui numa semifinal. É uma mistura de sensações. Estava concentrada na luta, mas também me divertindo”, completou Bia.

O peso-leve Wanderson Oliveira, conhecido com Sugar, se despediu dos Jogos nesta terça (3), ao perder nas quartas de final, por 4 a 1, para o cubano Andy Cruz, bicampeão mundial. 
 

Foto: Jonne Roriz/COB

Foto: Jonne Roriz/COB



Thiago Braz conquista bronze no salto com vara

FOTO: ALEKSANDRA SZMIGIEL

FOTO: ALEKSANDRA SZMIGIEL


Campeão olímpico na Rio 2016, o paulista Thiago Braz conquistou nesta terça-feira (3) medalha de bronze na prova de salto com vara na Olimpíada de Tóquio. O atleta de 27 anos obteve como melhor salto 5,87m. A disputa aconteceu no Estádio Olímpico de Tóquio, na capital Tóquio.

Inicialmente, Thiago superou a marca de 5,55m. Em seguida, o sarrafo subiu para 5,70m e 5,80m, até chegar aos 5,87m, superando 5,82m que havia sido o melhor salto na temporada. O paulista foi eliminado na luta pelo ouro quando o sarrafo chegou em 5,92m, pois não foi possível ultrapassá-lo.
 
O sueco Armand Duplants levou a medalha de ouro, fixando os 6,02m. E o norte-americano Christopher Nilsen ficou com 5,97m.

Esta foi a segunda medalha conquistada pelo atletismo brasileiro em Tóquio.

Darlan Romani conquista vaga na final no Arremesso de peso 

Foto: Dylan Martinez

Foto: Dylan Martinez


No arremesso de peso, o catarinense Darlan Romani conquistou nesta terça-feira (3) vaga na final na Olimpíada de Tóquio. Ele arremessou a 21,31m, 11 centímetros a mais que o necessário para avançar na competição. O atleta de 30 anos ficou com o segundo melhor desempenho da classificatória do Grupo A.

A prova final será realizada nesta sexta-feira (6) às11h05 (horário de Brasília), no Estádio Olímpico de Tóquio. Romani é o recordista sul-americano no arremesso do peso e ocupa a 11° colocação do ranking mundial da história da modalidade esportiva.

Na prova de 110 metros com barreira, na quarta bateria, o mineiro Rafael Pereira conseguiu avançar às semifinais. Apenas os quatro primeiros colocados seguiam na corrida pelo pódio e o brasileiro ficou na terceira posição, com o tempo de 13s46. Ele vai concorrer às semifinais ainda nesta terça-feira, ás 23h16 (horário de Brasília).

Já o brasileiro Eduardo de Deus não conseguiu ir adiante. O paulista, de 25 anos, foi o oitavo colocado na bateria 5, com o tempo de 13s18. O mesmo aconteceu com o carioca Gabriel Constantino, que foi o quinto colocado na bateria 1. Constantino alcançou o tempo de 13s55.

Alison e Álvaro buscam vaga nas semifinais do vôlei de praia 

Foto: Gaspar Nóbrega/COB

Foto: Gaspar Nóbrega/COB


Alison e Álvaro Filho é a única dupla brasileira no vôlei de praia na Olimpíada de Tóquio com chances de subir ao pódio. Eles entram em quadra nesta terça-feira (3) para enfrentar Plavins e Tocs, da Letônia, pelas quartas de final. O duelo será realizado no Parque Shiokaze, na capital Tóquio, às 22h (horário de Brasília).

Os outros três times que se classificaram para os Jogos Olímpicos já deram adeus à competição. No masculino, Bruno Schmidt e Evandro foram eliminados nas oitavas de final para os letões Plavins e Tocs (2 sets a 0), que vão enfrentar hoje Alison e Álvaro.
 
 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »