24/07/2021 às 19h43min - Atualizada em 24/07/2021 às 19h43min

Cadela acolhe e cria sete gatinhos órfãos resgatados na beira de estrada

ANDA
Foto: Divulgação
Segundo o portal Upsocl, a enfermeira americana Rachel adotou a labradora Bertie há alguns anos que, por considerá-la muito acolhedora e tranquila, virou além de mascote da família uma cuidadora de gatos filhotes.

A profissional da saúde acreditou que ela estaria apto a zelar por uma ninhada de sete gatinhos órfãos, e de fato ela veio a se tornar uma figura materna cuidadosa com eles. Além disso, a ninhada chegou ao lar quando a cadela não tinha nem dois anos de idade.

Os gatinhos tinham duas semanas de vida quando foram encontrados à beira da estrada, e felizmente foram levados para a ONG Battersea por um grupo de adolescentes. Rachel os adotou temporariamente após a equipe da instituição verificar a saúde dos animais e perceber que estavam saudáveis, mas com muita fome e com necessidade de cuidados.

“Como ex-residente de Battersea, há algo particularmente comovente em ver um animal doméstico ajudando a resgatar outros animais necessitados “, fala Rachel sobre a relação de Bertie com a ninhada.


“Estou muito, muito orgulhosa de Bertie pela maneira como ela cuidou dos gatinhos nas últimas semanas. Com menos de dois anos, ela mesma mal é um adulta, mas você não pensaria nisso ao ver como ela tem sido incrivelmente paciente e atenciosa com todos”, explicou.

“Esses gatinhos certamente foram difíceis, desde os primeiros dias, quando precisavam de mamadeira 24 horas por dia, até quando descobriram as alegrias da escalada. Bertie não só ajudou os gatinhos a se tornarem confiantes e sociáveis, como também os manteve entretidos”, adicionou a tutora.


Por serem gatos órfãos, eles não tiveram o contato de oito semanas com a mãe, um momento crucial de alimentação e de receber ensinamentos sobre habilidades de sobrevivência. Quando felinos sem a figura materna são trazidos a ONG Battersea, pessoas se dispõe a cuidarem deles a fim de alimentá-los e ajudá-los com suas necessidades fisiológicas temporariamente, como no caso de Rachel.

Os sete gatinhos assim que se desenvolveram o suficiente e ficarem mais independentes, foram levados para um dos gatis da ONG, onde todos foram adotados.


“Criar gatinhos é uma experiência tão maravilhosamente recompensadora, você pode ajudá-los a crescer de pequenos bebês indefesos em felinos únicos prontos para um lar amoroso”
, se emocionou Rachel.

“Fiquei triste ao vê-los partir, mas posso me consolar em saber que Bertie e eu ajudamos a dar a eles o melhor começo de vida. Suspeito que Bertie também pode ter desfrutado da paz e do sossego depois que seus jovens protegidos se foram, ela certamente mereceu!”, encerrou a enfermeira.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »