20/04/2018 às 10h45min - Atualizada em 20/04/2018 às 10h45min

Pesquisa mostra que Chile é contra os testes em animais para cosméticos

Entrevistados em pesquisa no Chile se mostram contra testes em animais para indústria de cosméticos. Projeto de lei que proíbe testes pode entrar em vigor

ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais
Pesquisa mostra que 78% dos entrevistados no Chile se manifestaram contra estes em animais para cosméticos. (Foto: Divulgação)
Uma pesquisa recente mostra que quase 80% da população do Chile é contra os testes em animais na indústria de cosméticos. A pesquisa foi feita pela consultoria Cadem, encomendada pela Humane Society International (HSI) (Sociedade Humanizada Internacional, em tradução literal) em parceria com a ONG chilena Te Protejo.

Diante do dado de que 78% dos chilenos se opõem a testes em animais para fins industriais, é reforçada a campanha colaborativa das organizações locais que buscam modificar o Código de Saúde do Chile, visando proibir testes em animais para fins cosméticos e também testes em animais de forma geral, voltados para o comércio em todo o país.

Em entrevista para o Plant Based News, Camila Cortínez, que é diretora Geral da ONG Te Protejo, disse: “É animador ver que as pessoas do Chile compartilham nossa crença de que os testes em animais para produtos e ingredientes cosméticos são cruéis, arcaicos e devem ser proibidos”.

Mudanças na legislação

A pesquisa mostra, também, um notável acréscimo de 86% de pessoas que acreditam que a prática deveria ser proibida no Chile – através da implementação de leis já promulgadas por outros 37 países, incluindo Israel, Índia e Nova Zelândia (e países da União Europeia).

A proposta de lei que contra os testes contra animais no Chile – Projeto Nº 10514-11, introduzido em 2016 – modificaria o Código Sanitário chileno, proibindo o uso de animais em testes de produtos cosméticos ou de ingredientes individuais no Chile, bem como a venda de cosméticos que foram testados em animais no exterior, após a alteração da lei entrar em vigor.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »