04/04/2021 às 23h32min - Atualizada em 04/04/2021 às 23h32min

Uber pagará R$ 6,2 milhões para mulher cega; saiba o motivo

Olhar Digital
Foto: Divulgação
O Uber foi condenado a pagar US$ 1,1 milhão (cerca de R$ 6,2 milhões) a uma mulher cega após quatorze motoristas se recusarem a transportá-la com seu cão-guia. Em 2014, empresa havia sido processada por discriminar pessoas com cegueira.

Lisa Irving afirmou que já perdeu dias de trabalho, Natal, aniversários e cultos por causa das recusas. Além disso, ela vivenciou outras situações humilhantes, como ser deixada na chuva e em locais escuros e perigosos. Algumas das quatorze ocasiões ocorreram após o aplicativo fechar um acordo no qual não toleraria mais que seus motoristas recusassem a transportar pessoas cegas.

Ao The San Francisco Chronicle, Lisa contou que em uma das viagens o motorista concordou levar Bernie, seu cão-guia. Durante o trajeto, porém, o homem ficou irritado com a presença do animal e ameaçou deixá-la ao lado de uma rodovia movimentada. A mulher conseguiu acalmá-lo e chegar ao seu destino, mas a memória perturbadora vive até hoje.

Cão-guia com sua dona Imagem: Shutterstock

Cão-guia com sua dona Imagem: Shutterstock



O juiz do caso afirmou que “o Uber permitiu que seus motoristas, que discriminavam passageiros com deficiência na visão, continuassem dirigindo sem quaisquer disciplinas”.

“Quando o Uber conduziu uma investigação, seus investigadores foram treinados, em alguns casos, para orientar os motoristas a encontrar motivos não discriminatórios para recusar as viagens, às vezes até para ‘defender’ e manter os motoristas na plataforma, apesar das reclamações de discriminação
”, revelou o magistrado.

Lisa lamentou que o caso tenha ido tão longe. “Eu preferia que meus direitos civis fossem respeitados. Mas esse julgamento envia uma mensagem forte de que isso (discriminação contra pessoas cegas) não é aceitável”, disse.

Se engana, no entanto, quem acredita que Lisa ficou milionária. O juiz concedeu a ela apenas US$ 324 mil (aproximadamente R$ 1,9 milhão). Os outros US$ 805 mil (em torno de R$ 4,5 mi) foram utilizados para pagar custas judiciais, incluindo honorários dos advogados.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »