30/10/2020 às 14h41min - Atualizada em 30/10/2020 às 16h49min

Como resolver conflitos em condomínios de maneira harmônica

Regras claras e diálogo são chaves para uma boa convivência entre os moradores.

SALA DA NOTÍCIA Angélica Queiroz

O conflito faz parte das relações humanas, em qualquer contexto. Sempre que falamos de uma comunidade precisamos levar em conta esse pressuposto. No entanto, conflito não precisa significar briga, especialmente, se existe uma pessoa preparada e disposta a mediar a situação.

 

Além de administrar as burocracias e as contas, ser síndico significa olhar para as relações de quem vive no condomínio, sejam inquilinos ou donos de uma casa própria. É um desafio e tanto porque nem sempre a situação é simples ou as pessoas envolvidas estão dispostas a colaborar.

 

Entretanto, todo bom gestor precisa ter jogo de cintura. Além disso, as dicas a seguir são bons guias para contornar a maioria das situações cotidianas em um condomínio.

Estabeleça regras claras

O ideal para uma boa convivência em qualquer espaço é que todos tenham bom senso. Contudo, infelizmente, não dá para contar com isso, pois, as pessoas pensam diferente e nem todas estão dispostas a olhar também para as necessidades do outro.

 

Por isso, é essencial que um condomínio tenha regras claras, relacionadas ao barulho, à limpeza e ao uso das áreas comuns. Elas devem ser comunicadas a todo novo morador, além de estarem permanentemente disponíveis para consulta. Punições devem estar previstas neste documento. 

Conheça os moradores

Esta dica é também um desafio, especialmente, nos condomínios onde vivem mais pessoas, porém, é muito útil. As regras são essenciais, mas olhar para as especificidades de cada situação é mais importante ainda. Afinal, você não quer correr o risco de ser injusto ou inflexível, o que pode pegar mal para a sua imagem.

 

Ao saber minimamente sobre a vida das pessoas, a relação também fica mais próxima, o que costuma fazer com que elas se esforcem mais para uma boa convivência — afinal, quem está pedindo é um síndico respeitado e que se importa.

Mantenha um canal aberto

Um síndico também tem vida pessoal e não precisa estar disponível 24 horas por dia. Apesar disso, é essencial que disponibilize alguns horários e um número de contato para ouvir os moradores. 

 

Ficar sabendo de algum conflito antes que ele tome grandes proporções é um bom jeito de conseguir resolvê-lo de maneira mais tranquila. Para isso, é bom que os condôminos saibam que têm um canal aberto para falar com o síndico.

Ouça os dois lados

Antes de repreender alguém com mais dureza, aplicando advertências ou multas, é sempre importante ouvir os dois lados da história. Caso existam testemunhas e provas, analise tudo com cuidado. 

 

Quanto mais informações você tiver sobre um caso, mais chances tem de conseguir uma solução harmônica, resolvendo a situação da forma mais justa possível.

Evite conversinhas

Se um conflito entre moradores se torna público, é muito provável que caia na boca dos condôminos. Ainda assim, o síndico deve evitar essas fofocas ao máximo porque elas costumam piorar qualquer situação. Inclusive, o ideal é repreender gentilmente quem insistir no assunto.

 

Um síndico deve ser o mais imparcial possível e, por mais que seja amigo dos moradores, precisa inspirar respeito — isso se faz impondo alguns limites. Evitar as conversinhas é um dos mais importantes.

Faça uma gestão transparente

Nem sempre o conflito é entre moradores, já que ele também pode ocorrer com a gestão do condomínio. Para evitar problemas, é importante ser transparente sobre todas as movimentações financeiras e qualquer plano que envolva alguma mudança significativa, como as obras.

 

Além de te resguardar no caso de qualquer questionamento, isso colabora para que os condôminos confiem em você, o que faz com que eles te ouçam melhor sempre que precisar resolver algo.


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »