11/09/2020 às 10h09min - Atualizada em 11/09/2020 às 10h09min

Atividades físicas para as crianças durante (e depois) da quarentena

Atividade física é essencial para as crianças, mas quais cuidados devem ser tomados durante a pandemia?

Unimed
A atividade física ajuda no desenvolvimento e fortalece a imunidade: criança precisa correr, brincar, se exercitar. Mas, o isolamento social trazido pelo novo coronavírus dificultou a prática para muitas delas. 

Aos poucos, algumas regiões retomam as atividades ao ar livre. Preocupada com os cuidados necessários nestes novos tempos, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou um documento com recomendações a famílias e escolas. Aqui, vamos ver:

A intensidade dos exercícios para as crianças



Vale para todas as idades: a prática regular de atividades físicas fortalece o sistema imunológico, previne a obesidade e tem até ação anti-inflamatória.

O ideal, segundo a SBP, é que crianças e adolescentes acumulem 60 minutos de atividade física por dia, de moderada a vigorosa. Assim, estimulam-se ossos, músculos, articulações, desenvolvimento motor, equilíbrio e coordenação. Mas o isolamento social comprometeu o condicionamento físico de muitas crianças.

Por isso, os pediatras recomendam atenção à duração e à intensidade dos exercícios, especialmente depois de um longo período de sedentarismo. Atividades desreguladas e retorno abrupto às muito intensas podem ter efeitos negativos no organismo de crianças e adolescentes.

As atividades moderadas podem diminuir infecções do trato respiratório em até 50%. Porém, as muito intensas (como andar de bicicleta e correr longas distâncias, pular corda, praticar esportes e fazer trilhas) podem piorar os casos em até seis vezes.

Recomendações para famílias e cuidadores

Para não transformar a pandemia de COVID-19 em uma epidemia de sedentarismo, reunimos algumas dicas sobre como manter o corpo de crianças e de adolescentes ativos nestes novos tempos:

Atividades para fazer com as crianças em casa



Não é fácil: muitas vezes os espaços são pequenos e/ou os pais estão trabalhando em casa. Mas isso não precisa ser sinônimo de ficar parado. A criatividade na hora de se exercitar traz benefícios para toda a família.

- vale improvisar brincadeiras mais ativas dentro de casa, como pular corda, bambolê, amarelinha, circuitos com obstáculos, caminhar sobre a linha, vôlei de balão e esconde-esconde
- aulas de dança e ioga on-line são boas para todas as idades, que tal praticar junto?
- dividir as tarefas da casa conforme as capacidades de cada criança é uma forma de manter o corpo em atividade, criar senso de participação e aumentar o vínculo familiar


Cuidados na retomada das atividades na rua



Importante: antes de retomar as atividades em ambientes externos, é fundamental consultar a situação na sua cidade e região. Ainda que atividades estejam permitidas, vale tomar medidas de prevenção.

- retome com as crianças as medidas de segurança no trânsito. Muito tempo em casa pode provocar euforia quando vir a rua novamente
- reforce a importância de manter o distanciamento mínimo entre as pessoas e de higienizar as mãos com frequência
- evite atividades físicas caso as crianças apresentarem sintomas gripais/respiratórios
- lembre as crianças de não compartilhar copos ou garrafas com amigos
- promova a limpeza constante de brinquedos de uso frequente, em especial aqueles utilizados fora do domicílio e que tenham sido compartilhados com outras crianças
- brinquedos que não puderem ser lavados com água e sabão (eletrônicos) podem ser higienizados com álcool 70%
- estimule o uso de máscaras de pano durante as práticas ao ar livre. Explique que é preciso um tempo de adaptação a esse novo acessório. Veja mais dicas sobre máscaras para crianças no quadro abaixo:
 
Crianças e Máscara de proteção



Além de verificar o tamanho adequado da máscara, paciência e carinho são fundamentais para ensinar o novo hábito. Deve-se orientar para que elas não mexam na máscara e para que troquem a cada duas horas ou caso ela caia no chão. As crianças só podem ficar sem máscara em ambientes abertos, a pelo menos dois metros de outras pessoas, desde que não toque em superfícies.

- menores de dois anos: não devem usar. A salivação intensa, as vias aéreas de pequeno calibre e a imaturidade motora elevam o risco de sufocação
- entre dois e cinco anos: recomendado uso sob supervisão constante. Deve-se avaliar a maturidade das crianças para evitar ajustes constantes
- de seis a dez anos: uso indispensável quando em contato com grupos. A criança já pode ajudar a colocar e retirar, mas sob supervisão
- a partir de 11 anos: a criança já é capaz de compreender e seguir todas as instruções para o uso, retirada, higienização ou descarte das máscaras
- crianças especiais: em casos de crianças com transtorno ou déficit cognitivo, é recomendável tentar um treinamento e avaliar a adesão, de acordo com a resposta individual


Considerações sobre a volta das atividades escolares



Com calendários diferentes de acordo com a região, escolas e secretarias de educação de todo o país estão elaborando protocolos para o retorno às aulas. Reunimos alguns pontos sugeridos pela SBP para ajudar quem for participar do debate:

- ainda não é o momento de retomar esportes coletivos de contato
- é importante estimular práticas esportivas que permitem distanciamento, como atletismo, jogos de raquete, circuito, ioga
- reforçar a necessidade de máscara
- não há consenso ainda sobre a distância mínima, mas recomenda-se um distanciamento de 1 a 2 metros para práticas estáticas e de 5 metros quando houver deslocamento (corrida, caminhada)
- será fundamental organizar o espaço para propiciar o distanciamento e desinfetar o ambiente e os brinquedos com frequência
- ambientes ao ar livre ou em locais mais arejados são melhores para práticas físicas
- educadores precisam considerar eventual perda de condicionamento físico das crianças e adolescentes no planejamento de atividades corporais, priorizando as moderadas
- estimular a hidratação durante e depois dos exercícios, em copos individuais (e não bebedouros)


É preciso se preparar, mas não acelerar o processo de retomada. Mesmo que algumas regiões estejam planejando flexibilização de quarentena e o retorno gradual de atividades ao ar livre, é importante lembrar que o distanciamento físico ainda é a melhor maneira de prevenir a contaminação pelo novo coronavírus.

As dúvidas sobre a COVID-19 ainda são muitas e angustiam pais e educadores. Reduzir o risco de contaminação e, ao mesmo tempo, promover práticas saudáveis é o nosso desafio nestes novos tempos.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »