16/06/2020 às 09h49min - Atualizada em 16/06/2020 às 09h49min

Rio Preto registra duas novas mortes e 1.334 pessoas com Covid-19

Secretário de Saúde destacou aumento de internações por problemas respiratórios graves, 162 no total

Assessoria de Imprensa
Foto: Divulgação
Rio Preto inicia a semana com 1.334 pessoas contaminadas pelo coronavírus (Covid-19). A atualização feita nesta segunda-feira, dia 15, pelo secretário de Saúde Aldenis Borim, revela ainda que desde o início da pandemia 12.396 pacientes foram atendidos pelo sistema de saúde público com algum estado gripal. Destes, 8.272 passaram por testes para detecção da Covid-19, com 6.938 resultados negativos para a doença.

São 747 recuperados (56% do total de contaminados), 279 profissionais da saúde e 230 pessoas que apresentaram a síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e necessitaram de internações, tanto em UTI’s como enfermarias. São 289 casos para cada 100 mil habitantes de Rio Preto.

Mais duas pessoas morreram neste fim de semana, elevando para 40 o número de mortes por coronavírus. Ambas são do sexo feminino, de 80 e 89 anos que apresentavam comorbidades (condições de risco). Os falecimentos foram registrados neste domingo, dia 14.

Aldenis Borim chamou a atenção para o aumento de óbitos verificados em cada semana. Na última, por exemplo, foram 11 registros, recorde desde o início de casos em Rio Preto. Das mortes, 70% são de pessoas na faixa etária de 60 anos ou mais, ou seja, 2/3 do total. “Porém, 30% desses óbitos também estão ocorrendo em uma faixa etária abaixo dos 60 anos. Nós temos uma taxa significativa abaixo dos 60 anos. Cuidado ao pensar que só acomete e causa morte em idosos”, destaca Aldenis.

Outra preocupação é com o número crescente de internações por semana decorrentes da síndrome respiratória aguda grave (SRAG). São 993 casos no total, com 230 pacientes positivos para coronavírus, 680 negativos e 83 que permanecem em investigação. São 274 notificações (27%) somente nos últimos 14 dias, destes 162 pacientes internados (UTI 63 e enfermaria 99).

“Essa ascensão faz com que a gente alerte pra ter mais cuidado com aglomerações. Enquanto vira número a gente vê de uma maneira, mas quando vira gente, nome, parente, amigo, talvez seja um pouco tarde para tomar os cuidados. Fiquem em casa o máximo possível”, reforça o secretário.

Respondendo a perguntas da imprensa local, o secretário de Saúde destacou que havia o entendimento do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus de que com a flexibilização do comércio os casos iriam aumentar. No entanto, esclareceu que o que deve ser evitado é o crescimento descontrolado, que acarrete a falta de leitos e medicamentos.

“A flexibilização causa um movimento maior. Já era esperado. As pessoas precisam entender que não são apenas os leitos, mas a falta de medicamentos, por exemplo, que pode fazer com que o sistema de saúde entre em colapso”, disse.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »