02/03/2020 às 14h38min - Atualizada em 02/03/2020 às 14h38min

Mitos e verdades sobre criar roedores em casa

Confira os principais boatos e fatos sobre as espécies de roedores domésticos

Assessoria de Imprensa
Foto: Divulgação
Queridinhos dos que não dispõem de muito espaço para um pet ou desejam atribuir mais responsabilidades às crianças, os roedores vêm conquistando o coração de seus donos. Seja pela facilidade de adaptação ou pela necessidade de poucos cuidados com a saúde do animal, os “ratinhos” estão presentes em muitos lares.

Existem, no entanto, algumas falsas verdades sobre os bichinhos, confira agora o que é verdade ou não sobre eles:
 
Mitos

Ratos ama queijo


Apesar de a grande maioria acreditar que os roedores são caidinhos por uma lasca de queijo, isso não é verdade. Um estudo feito pela Manchester Metropolitan University revelou que os animais gostam mais de alimentos com alto teor de açúcar, como frutas e cereais, por exemplo.

“Então por que tantas obras mostram ratos sendo atraídos por queijo?”, você deve estar se perguntando. Uma das prováveis causas é o forte odor que o alimento exala. Como possuem um olfato poderoso, os roedores acabam “enfeitiçados” e vão para perto do alimento só para conferir.

Isso não significa que esse mamífero não goste de queijo. Ele só não o tem como alimento preferido em sua dieta e não é seletivo com aquilo que come.
 
Avessos à limpeza

Ao contrário do que se imagina, os roedores prezam muito por sua higiene corporal. Como possuem muitos pelos, às vezes, a sujeira pode se acomodar e causar doenças, e eles gostam de estar limpinhos para evitar isso.

Espécies como a chinchila, o gerbil e o rato-do-deserto possuem uma pelagem mais densa que as outras e estão habituadas ao clima seco. Por isso, seu banho é todo especial e não requer água. É preciso colocar pó de banho a seco em uma vasilha e deixá-los rolar à vontade, eliminando toda a sujeira.
 
Acanhados

Quem pensa que eles são animais mais quietos e que não gostam do carinho dos donos está redondamente errado. São extremamente dóceis e manifestam seu carinho de maneira diferente de outros pets, como cachorros e gatos.

Adoram ficar no colo dos donos e receber todo tipo de mimo. Mas atenção: não os acorde ou pegue-os de surpresa, pois eles podem se assustar e morder para se defender.
 
Animais doentes

Apesar de assustarem à primeira vista, os roedores geralmente já saem dos criadouros vacinados, eliminando qualquer risco para você ou sua família.

Contudo, eles podem transmitir doenças. Estima-se que as espécies possam transmitir cerca de 40 doenças, sendo o rato seu principal transmissor. As principais são: a escabiose (sarna), a hantavirose, a leptospirose, a peste bubônica, a raiva e a triquinose.

O importante, entretanto, é ficar atento ao animal. Caso apresente sintomas como pelo arrepiado, secreções nos olhos ou até mesmo sono irregular, o aconselhável é levá-lo ao veterinário imediatamente. O ideal é realizar, ao menos, uma visita anual para se certificar que não há nada de errado com o pet e prevenir problemas futuros.
 
Verdades

Alimentação restrita


Apesar de os roedores selvagens comerem de tudo, as espécies domésticas apresentam uma dieta mais balanceada.

O ideal é a ração, com raras exceções. Vegetais e sementes são bons complementos para alimentá-los, além de ajudarem a desgastar seus dentes, que não param de crescer durante toda a sua vida.

Outro ponto importante é a água. Mesmo com algumas espécies não podendo tomar banho diretamente, necessitam de bebê-la.

Para isso, é importante manter os bebedouros sempre abastecidos, para que o animalzinho sinta-se à vontade para beber água sempre que quiser.
 
Roedores esportistas

Roedores adoram correr e praticar exercício, isso é fato. Por isso, é sempre bom deixar rodas e outros brinquedos para que o pequeno possa brincar e gastar a energia acumulada.

Acostumados a andar muito quando livres, não é diferente quando estão em gaiolas: é uma necessidade biológica de suas espécies.

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »