16/12/2019 às 13h32min - Atualizada em 16/12/2019 às 13h32min

Ministério quer atendimento especializado à mulher em 10 mil delegacias do País

O objetivo é que ao registrarem a ocorrência, as mulheres já recebam acolhimento psicológico e assistência jurídica e social

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos
Foto: Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos
Aministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que pretende implantar os núcleos integrados de atendimento à mulher em 10 mil delegacias do país, nos próximos três anos. A declaração ocorreu durante inauguração desse tipo de sala especial de acolhimento a vítimas de violência doméstica na 29ª Delegacia de Polícia Civil do Riacho Fundo, região administrativa do Distrito Federal, que fica a 23 quilômetros de Brasília.

Segundo a ministra, além de mais uma conquista para as mulheres, a inauguração do espaço é o ponto de partida para a criação de outros núcleos em todo o País. “Com esse modelo, todas as delegacias podem ser também delegacias para mulheres. Através de parcerias com a sociedade, como universidades, igrejas e instituições, queremos que os núcleos sejam implementados por todo o Brasil”, completou.

Também presente na cerimônia, a secretária Nacional de Políticas para as Mulheres, Cristiane Britto, destacou a importância do espaço, principalmente pela questão do atendimento humanizado, porque, muitas vezes, a mulher chega a delegacia fragilizada e nervosa. “Sabemos que a delegacia é a principal porta de entrada para as mulheres em situação de violência.”    

Espaço
Inaugurada pela Polícia Civil do Distrito Federal, o Núcleo Integrado de Atendimento à Mulher (Nuiam) visa o enfrentamento à violência a mulheres no Brasil e tem como diferencial a atuação em parceria com outras instituições governamentais, da iniciativa privada e da sociedade civil. Dessa forma, as mulheres, além de registrarem ocorrência, receberão acolhimento psicológico e assistência jurídica e social.

Para isso, foram estabelecidas parcerias com os Juizados de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Tribunal de Justiça; das Promotorias de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Ministério Público; do Conselho Tutelar; e da Universidade Católica de Brasília.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »