07/11/2019 às 10h52min - Atualizada em 07/11/2019 às 10h52min

Em novo filme, Woody Allen reúne de novo a chuva e outros protagonistas que talvez você nunca tenha percebido

*Por Elie Cheniaux, professor associado da UERJ e da pós-graduação em psiquiatria e saúde mental da UFRJ, autor de "Woody Allen, seus filmes são mesmo autobiográficos"?

Assessoria de Imprensa
Foto: Divulgação
Escrito e dirigido por Woody Allen, "Um Dia de Chuva em Nova York" teve sua estreia antecipada no Brasil. O filme, que seria lançado aqui no dia 09 de janeiro de 2020, chega em 21 de novembro. Na trama, Gatsby (Timothée Chalamet) e Ashleigh (Elle Fanning) são um jovem casal de namorados que decidem passar um final de semana em Manhattan. Mas o romance acaba tomando um rumo inesperado, quando um diretor de cinema e a irmã de uma ex-namorada cruzam seu caminho. O elenco ainda conta com Selena Gomez, Jude Law, Rebecca Hall e Liev Schreiber.
 
A película fazia parte de um acordo entre a Amazon e Woody Allen. De acordo com o contrato, o cineasta teria que produzir mais três filmes. No entanto, a parceria foi rompida. Em 1992, Woody Allen fora acusado de abusar sexualmente de sua filha adotiva, Dylan Farrow, e desde a ascensão dos movimentos #MeToo e Time's Up, as acusações voltaram à tona, fazendo com que a Amazon deixasse o filme de lado. Uma disputa judicial entre a companhia e o cineasta vem impedindo o lançamento nos Estados Unidos, o que não ocorreu na Europa e no Brasil.
 
Polêmicas à parte, "Um Dia de Chuva em Nova York" traz novamente o que nunca pode faltar em um filme de Woody Allen. Se você é tão apaixonado como eu, é possível que já tenha percebido "pontos protagonistas" de seus filmes. Aqui, vamos nos atentar a três deles: Nova York, romantismo e, claro, chuva, presente até no título:
 
Nova York

Já virou lugar-comum afirmar que, na maioria dos filmes de Woody
Allen, a cidade de Nova York é praticamente uma personagem. Como refere o seu biógrafo Natalio Grueso, o cineasta se tornou o "melhor embaixador internacional de Nova York". Allen criou uma cidade idealizada, que encanta os americanos e os estrangeiros. Uma cidade glamorosa, que nunca é mostrada suja ou decadente nos seus filmes e que, como diz o jornalista Nelson Motta, jamais será alcançada pela Nova York real.
 
Segundo o professor de literatura, Ubiratan de Oliveira, os quatro minutos iniciais do filme "Manhattan" talvez representem a maior homenagem prestada a uma cidade. É mostrada uma sequência de belas imagens em preto e branco de Nova York: seus parques, ruas, pontes, edifícios, o tráfego de pedestres e de veículos, em diversas horas do dia e em todas as estações do ano. Tudo isso ao som de Rhapsody in Blue, de autoria do compositor nova iorquino, George Gershwin, e executada pela Orquestra Filarmônica de Nova
York.
 
Nascido no Bronx e criado no Brooklyn, Woody Allen foi pela primeira vez a Manhattan aos cinco ou seis anos de idade, levado por seu pai. Ele conta que se apaixonou pela ilha no exato momento em que saiu do metrô e colocou os pés em Times Square. Ficou impressionado com a quantidade e o luxo dos cinemas. Outras atrações para ele em Manhattan, na sua infância, incluíam shows de marionetes na rua, barracas de tiro-ao-alvo, a Broadway e o restaurante Lindy's, na rua 52. "Quando atravessava para Manhattan, era uma explosão de tudo o que só se via nos filmes de Hollywood", disse ele ao seu biógrafo, Eric Lax.
 
Perguntado pelo jornalista Stig Björkman se, como alguns de seus personagens, não conseguia funcionar fora de Nova York, Allen reconheceu que isso era "parcialmente verdadeiro". Disse que em uma cidade grande e cosmopolita, poderia residir durante algum tempo, mas preferia Nova York. No documentário "Um Retrato de Woody Allen", o cineasta refere que, quando está fora de casa, Paris é a única cidade em que consegue sobreviver.
 
Romantismo

Um aspecto marcante da filmografia de Woody é, sem dúvida, o romantismo. Uma imagem que sintetiza o romantismo na sua obra é a do cartaz de "Manhattan", em que vemos, em preto e branco, as silhuetas de Isaac (Woody) e Mary (Diane Keaton), com o cachorrinho dela, sentados em um banco junto à ponte do Queensboro, em Nova York. No mesmo filme, há diversas cenas românticas, como a do passeio de carruagem de Isaac e Tracy (Mariel
Hemingway) pelo Central Park, que Allen iria repetir, anos depois, em Café
Society, agora com Bobby (Jesse Eisenberg) e Vonnie (Kristen Stewart).
 
No filme "Paris-Manhattan", em que Woody Allen faz uma ponta como ele mesmo, o romantismo é o aspecto que recebe o maior destaque. Em Paris, o francês Victor (Patrick Bruel) dá de cara com o famoso cineasta Woody Allen em um hotel e conta para ele sobre a sua paixão por Alice (Alice Taglioni), grande fã do nova-iorquino. Allen o incentiva a tentar conquistá-la e faz uma veemente defesa do romantismo. Em seguida, o rapaz consegue convencer Woody a conversar com Alice, e ela, diante dos elogios feitos sobre Victor pelo seu maior ídolo, rende-se ao rapaz. Sem dúvida, o roteiro de "Paris-Manhattan" parte da premissa de que Woody Allen, como pessoa, é tão romântico quanto seus filmes.
 
Chuva

Nas cenas românticas do cineasta, frequentemente está chovendo. Em "Magia ao Luar", Stanley (Colin Firth) e Sophie (Emma Stone) estão voltando de uma visita à tia de Stanley (Eileen Atkins). O carro sofre uma pane e começa a chover e relampejar. Eles correm para um planetário. Lá dentro, ela pede para ele abraçá-la, pois está molhada e com frio. Quando acaba a chuva, eles abrem o teto e observam o céu.
 
Em "A Outra", Marion (Gena Rowlands) e Larry (Gene Hackman) se encontram por acaso quando vão comprar ingressos para o mesmo concerto. Ele está apaixonado por ela, mas Marion está para se casar com um amigo dele (Ian Holm). Larry a convence a beberem juntos e, depois, caminham pelo Central Park onde, claro, começa a chover, e eles correm para se refugiar debaixo de uma passarela e acabam se beijando. Já em "Para Roma, com Amor", Jack (Jesse Eisenberg) e Monica (Ellen Page) estão visitando as ruínas das termas romanas à noite. Começa a chover e Monica diz a ele que acha as tempestades muito românticas. Jack já está apaixonado por ela e lhe faz um elogio, dizendo que ela fica "muito bonita um pouco molhada". 
 
Numa declaração ao jornalista Stig Björkman, Woody Allen explica a relação que vê entre chuva e romantismo: "Adoro a chuva! (...) Você sabe que detesto a luz do sol. (...) E eu chamei uma garota de 'Rain' em 'Maridos e Esposas' porque este nome é lindo. (...) Sabe, eu gostaria de fazer um filme onde chovesse cada vez que os amantes estivessem juntos. Quando eles se encontrassem, quando saíssem, quando fizessem amor, enfim, quando fizessem não importa o quê. Choveria sempre que eles estivessem juntos. (...) Por isso, nos filmes só é romântico se estiver chovendo. O estado de espírito é muito importante. (...) Sempre acho que a chuva me dá a sensação de intimidade. As pessoas ficam confinadas em suas casas. Procuram abrigo. Estão protegidas no interior dos seus lares. (...) A chuva fornece o clima para que coisas mais íntimas aconteçam entre elas, seja se apaixonando ou compartilhando da sua aproximação. Ela afeta o estado de espírito destas pessoas de certa forma".
 
Nos bastidores

Há também outro aspecto, mas ainda não admitido por ele: seus filmes são mesmo autobiográficos? Essa tem sido uma declaração frequente de Allen ao longo de sua carreira. São tantos os fãs, jornalistas e críticos de cinema que juram que seus filmes são uma cópia fiel de sua vida que volta e meia o cineasta se sente obrigado a rebater essa ideia.
 
Em quase todos os seus primeiros filmes, como "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" (1977) e "Manhattan" (1979), Woody Allen também participou como ator, fazendo o papel principal. Parecia ser sempre o mesmo personagem: neurótico, ansioso, depressivo, hipocondríaco, com medo da morte, inseguro, tímido, inteligente, culto, cinéfilo, freudiano, narcisista, romântico, urbano, nova-iorquino, irônico e, acima de tudo, engraçado. Mesmo em sua produção mais recente, em que Woody quase sempre se limita a ficar atrás das câmeras, esse personagem típico não desapareceu e tem sido interpretado por outros atores. Will Ferrell, em "Melinda e Melinda" (2004), e Larry David, em "Tudo pode dar Certo" (2009), já cumpriram essa missão.
 
A recorrência desse personagem e o fato de o próprio Allen tê-lo incorporado diversas vezes indicam que o que vemos na tela é o cineasta em pessoa, interpretando a si mesmo. Além disso, várias coincidências são apontadas entre os enredos de seus filmes e fatos de sua vida pessoal. Por exemplo, o filme "Maridos e Esposas" (1992) é considerado por muitos um retrato mais ou menos preciso do fim do seu relacionamento com Mia Farrow. Apesar de todas as evidências, só nos resta a incógnita.
 
Ao final, fica a pergunta: diante de uma mente em ebulição como a de Woody Allen, o que esperar de "Um Dia de Chuva em Nova York"?

*Dr. Elie Cheniaux é psiquiatra, escritor, membro licenciado da Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro, professor de pós-graduação em Psiquiatria e Saúde Mental da UFRJ, onde coordena o laboratório de pesquisa sobre o transtorno bipolar; e professor de pós-graduação em Ciências Médicas da UERJ. É autor do livro "Woody Allen: seus filmes são mesmo autobiográficos"? Rio de Janeiro: Autografia, 2019, v.1. p.304. [Prefácios de Marcelo Janot (O Globo) e de Ana Rodrigues (JB).
 
"Tão apaixonado por Woody Allen quanto por seu suposto alter ego das telas, Elie Cheniaux se debruça de forma minuciosa sobre a vida e obra do ator, diretor e roteirista para investigar até que ponto vão as semelhanças e diferenças. A decupagem criteriosa de seus 50 longas-metragens resultou em um trabalho revelador por parte do autor". (Do prefácio de Marcelo Janot).

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »