30/09/2019 às 08h23min - Atualizada em 30/09/2019 às 08h23min

Hospital Amigo do Transplante:Santa Casa de Araçatuba está entre os hospitais paulistas com maior número de captações

Santa Casa de Araçatuba
Foto: Divulgação
A Santa Casa de Araçatuba recebeu em 2018 o prêmio Hospital Amigo do Transplante pelo trabalho realizado na captação de órgãos através da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT). A premiação foi concedida pela Secretaria de Estado da Saúde, que destacou dentre 150 CIHDOTTs e 10 OPOs (Organizações de Procura de Órgãos) as que registraram os melhores indicadores. A Santa Casa de Araçatuba é a segunda maior referência em notificações da região Noroeste Paulista e ficou atrás somente do Hospital de Base de São José do Rio Preto.

Implantada em 2015, a CIHDOTT da Santa Casa realizou  até setembro de 2019  170 protocolos de morte encefálica. Os protocolos resultaram em  170 órgãos distribuídos  e transplantados em todo o Estado de São Paulo a pacientes que estavam na fila à espera de transplante, sendo 120 rins, 34 fígados, 9 corações, 5 pâncreas e 2 pulmões. Tivemos ainda 51 doadores de córneas, 5 doadores de ossos e 1 doador de valvas cardíacas.   Neste ano já foram realizadas 9 captações.

Coração para retirada de válvulas

Um dos avanços deste ano é uma nova possibilidade de doação: corações de pacientes  já obitados  para retirada de válvulas cardíacas. Neste caso, a doação  de cada coração beneficia vários pacientes que sofrem de insuficiência cardíaca. Trata-se de uma nova modalidade para aproveitamento de órgãos humanos que beneficiará pacientes cardíacos em todo o país. O trabalho é feito através de parceria entre o Hospital de Base de São José do Rio Preto e o Banco de Tecidos Humanos de Curitiba. 

Em Araçatuba, o primeiro coração  destinado à essa nova modalidade, foi captado em 16 de agosto deste ano pela  equipe  do Hospital de Base de São José do Rio Preto de uma estudante de 15 anos que teve morte cerebral  em decorrência de um acidente. A família doou todos os seus órgãos e alguns tecidos, mas em decorrência de incompatibilidade com pacientes da fila de espera, o órgão foi captado e encaminhado para Curitiba para  retirada das válvulas que beneficiariam quatro pacientes.

Córneas

A próxima missão é aumentar o número de doadores de córneas de pacientes com coração parado. Esse trabalho conta com uma equipe de enfermeiros capacitados pelo Banco de Olhos do Hospital de Base de São José do Rio Preto para realização das entrevistas com os familiares e o esclarecimento sobre a doação das córneas. “O transporte das córneas para o Banco de Olhos de Rio Preto é outro ponto importante para o qual tivemos, nos últimos anos, ajuda da empresa Reunidas Paulista”, destaca Saad.

Estrutura

Com uma estrutura formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e assistentes sociais ligados à área de cuidados intensivos, a CIHDOTT da Santa Casa registrou taxa de recusa de 25%, abaixo da média nacional, que foi de 43% dentre familiares de pacientes com morte encefálica no ano de 2018. “Trata-se de um bom resultado quando comparado  à média nacional”, afirma o médico Rafael Saad, coordenador da CIHDOTT. Ele atribui o bom desempenho ao fato de o hospital manter uma comissão exclusiva para essa finalidade. A Santa Casa de Araçatuba também foi premiada devido ao alto índice de efetivação das notificações realizadas em 2017 para o qual contribuiu o baixo índice de recusa pelos familiares.

O bom desempenho do hospital em relação às metas do Ministério da Saúde de reduzir a fila dos transplantes e o compromisso social e humanitário de esgotar possibilidades para ajudar pessoas que esperam um órgão para continuar vivendo são decorrentes do aperfeiçoamento da estrutura de captação. Em quatro anos de trabalho, a CIHDOTT aperfeiçoou os fluxos que podem gerar doações. Destacam-se o treinamento para a busca ativa nas unidades com pacientes neurológicos graves, a notificação dos casos potenciais, com cumprimento do fluxograma do protocolo e a comunicação efetiva e humanizada. A logística também foi alinhada às necessidades de tempo máximo entre a captação dos órgãos e sua utilização nos pacientes em fila de espera para um transplante.

A infraestrutura conta inclusive com apoio de outros segmentos como a Secretaria Municipal de Segurança de Araçatuba, que mantém equipes de batedores da Guarda Municipal para os veículos que transportam órgãos até o Aeroporto Estadual Dario Guarita “de forma rápida e eficaz, ajudando pessoas que precisam de órgãos”. “Só temos a agradecer por esse trabalho”, destaca Saad.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »