27/09/2019 às 10h08min - Atualizada em 27/09/2019 às 10h08min

Brasil é um dos líderes em digitalização de impostos, segundo estudo

Índice Global de Complexidade Corporativa, da TMF Group, mostra dados de países que mais recorrem à tecnologia

Olhar Digital
Foto: Divulgação
Diversas empresas, como Uber, Rappi e Netflix, entraram na mira da Associação Brasileira de Advocacia Tributária, a ABAT, que tenta incluir os aplicativos no projeto da reforma tributária que está em tramitação na Câmara e no Senado.De acordo com o deputado Hildo Rocha, do MDB do Maranhão, que será o presidente da comissão, os apps que se encaixam na categoria de prestação de serviços devem ser alvos de uma revisão tributária.

A proposta apresentada pela Abrat prevê que os aplicativos direcionem 5% de sua receita total para a Previdência Social. Além do direcionamento de receita, a proposta prevê a criação de faixas de contribuições sociais que devem ser cobradas com base nas folhas de pagamento de cada empresa. O valor a ser desembolsado se tornaria menor conforme o aumento no número de funcionários e da média salarial.

Uma outra proposta criada pelo senador Roberto Rocha, do PSDB do Maranhão, as vendas realizadas por pessoas físicas em sites como Mercado Livre e OLX também passariam a ser taxadas.

Segundo o projeto, esse tipo de comércio não paga os devidos impostos como as lojas físicas.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »