24/09/2019 às 11h31min - Atualizada em 24/09/2019 às 11h31min

De virada, Pinheiros vence revanche contra o Instituto Reação e é campeão do Grand Prix Nacional de Judô

Triunfo veio com um belo ippon de Eduardo Yudy sobre David Moura

CBJ
Foto: Tati Amaya/MCS
O grito de campeão, preso na garganta há um ano, hoje está mais forte do que nunca. Finalistas do Grand Prix Nacional de Judô em 2018, Instituto Reação e Pinheiros reviveram a rivalidade da última edição e quem se deu bem foi a equipe paulista: vitória por 4 a 1 sobre a agremiação carioca, nesta segunda-feira (23), no SESI Taguatinga, em Brasília.

Na defesa do título, o Instituto Reação começou a final na frente, com vitória acirrada de Juninho "Bomba" sobre Adriano Santos. O atleta da equipe carioca forçou três punições e conseguiu o primeiro ponto.

"Foi uma oportunidade enorme poder representar o Reação na primeira luta. Poder pontuar logo no início e sentir a confiança deles em mim, sem dúvidas, não tem preço. Toda competição eu saio mais forte. Me engrandece participar de competições como o Grand Prix", disse o "Bomba".

Logo em seguida, a campeã olímpica Rafaela Silva entrou no tatame para encarar Ellen Santana. A atleta paulista forçou dois shidos diante da carioca e, quando a luta entrou no golden score, Ellen precisou de 18 segundos para vencer o confronto por ippon e empatar o duelo em 1 a 1. O detalhe é que Rafaela é da categoria Leve (57kg) e no GP lutou no Médio (70kg), peso de origem de Ellen. 

"A luta foi dura com a Rafa, mas sempre estamos juntas nos campeonatos internacionais. Tenho grande respeito, mas quando a gente entra no tatame em equipes adversárias não tem jeito. Foi uma luta muito boa e fiquei feliz por vencer. O respeito pela Rafa segue o mesmo", afirmou Ellen.

O terceiro confronto teve Victor Penalber, pelo Reação, e Giovani "Pezão", pelo Pinheiros. Penalber usou a experiência para administrar a luta, forçando dois shidos em Giovani. Faltando dez segundos para o fim, "Pezão" conseguiu o ippon e virou o placar. Dois a um para o clube paulista.

Precisando empatar a decisão, Luiza Cruz teve confronto duro contra Maria Suelen Altheman. Experiente, a atleta do Pinheiros soube controlar a luta e venceu imobilizando Luiza até o ippon. 

David Moura foi o responsável por tentar dar uma sobrevida ao Reação diante de Eduardo Yudy. Mas não foi páreo para um ágil peso médio (81kg), que conseguiu um ippon surpreendente contra o peso pesado e a vitória do Pinheiros por 4 a 1 no Grand Prix Nacional de Judô. Foi o primeiro título do clube paulista em formato de equipe mista, como será nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

"Estava motivado para disputar o Grand Prix e acabou sobrando uma vaga para mim na competição. Chamei a responsabilidade e estou muito feliz que consegui decidir a luta e dar o título para o Pinheiros. Pra mim foi importante lutar aqui, serviu como treinamento e posso levar muitas coisas para o Grand Slam", concluiu Yudy.

Antes da grande final, a Sogipa e o Minas Tênis Clube garantiram o bronze do Grand Prix. A equipe do Rio Grande do Sul venceu o Paineiras, enquanto o clube mineiro conquistou o terceiro lugar com triunfo sobre o Paulistano.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »