24/12/2018 às 15h46min - Atualizada em 24/12/2018 às 15h46min

Hamilton ainda em dúvida sobre seu futuro após 2020

Por Kadu Gouvêa
F1 Mania
Foto: Nelson Almeida
O cinco vezes campeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton não vai se aposentar em 2020, de acordo com o especialista em automobilismo Tony Jardine.

Hamilton teve uma sólida segunda metade da temporada em 2018 com sua Mercedes, superando seu rival Sebastian Vettel, deixando o piloto da Ferrari na poeira enquanto ele garantiu seu quinto Campeonato Mundial.

O contrato do piloto de 33 anos com a Mercedes expira no final da temporada de 2020, e Hamilton admitiu no final do ano, que enfrentou um dilema sobre seu futuro na Fórmula 1, com seu trabalho de moda sendo bem-sucedido e o desejo ainda está lá para entrar na indústria da música.

Jardine, que trabalhou com a Goodyear, Brabham, McLaren e Lotus na Fórmula 1, acredita, no entanto, que o amor pelas corridas manterá Hamilton na Fórmula 1 depois de 2020.

Falando ao Express, ele disse: “Eu pessoalmente acho que ele é um dos caras que, à medida que envelhece, melhora”.

“Eu só acho que aos 35 anos, ele ainda estará absolutamente bem. Você tem que olhar para Damon Hill e Nigel Mansell, eles estavam com 38, 39. Mansell tinha 40 anos. Isso é um pouco passado agora, e até mesmo Michael Schumacher estava de volta com 38.”

Jardine voltou a uma frase dita por Hamilton, que ficou com ele, e citou isso como a razão pela qual ele não acha que o britânico vai parar com as corridas.

“Eu ainda acho que ele estará absolutamente no auge e sua citação para mim foi: ‘Eu nasci para correr e vencer’. É o que ele faz”, explicou Jardine.

“Não importa o quanto ele ama sua moda, sua música e todas essas outras coisas, eu acho que seria um grande pedaço de sua vida. Então, nesses dois anos, se as coisas correrem muito bem, eu posso vê-lo assinando por mais dois depois disso.”

Jardine não prevê Hamilton seguindo o caminho de Fernando Alonso, visando Indianapolis 500 ou 24 Horas de Le Mans, glórias para adicionar ao seu sucesso no Grande Prêmio de Mônaco.

“É fácil dizer, mas tentando olhar para a velha e grande bola de cristal, eu simplesmente não consigo vê-lo saindo e parando”, disse Jardine. ''E eu certamente não posso vê-lo sair, por mais que ele ame a América, eu certamente não posso vê-lo saindo e fazendo a Indy ou a Nascar, ou qualquer coisa assim, porque eles não estão no mesmo nível da Fórmula 1. A Fórmula 1 é o auge do automobilismo mundial”, concluiu Jardine.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »