07/12/2018 às 15h40min - Atualizada em 07/12/2018 às 15h40min

Crianças e animais de estimação

Da companhia em casa até o apoio em alguns tratamentos, a presença dos pets pode contribuir para o desenvolvimento dos pequenos; atenção aos cuidados

Unimed
Foto: Reprodução
Você chega em casa estressado após um dia exaustivo. Abre a porta e é recepcionado por um pequeno ser eufórico, que o recebe com a alegria de quem passou tempo demais sem vê-lo e, entre lambidas e latidos empolgados, renova sua energia com uma expressão de carinho contagiante.

Seja um cachorro, um gato ou uma tartaruga, um animal de estimação pode influenciar positivamente no ambiente doméstico e sua companhia inclusive pode ter efeitos terapêuticos. E isso vale para adultos e crianças.




Benefícios para as crianças
- Melhora as habilidades motoras
- Ajuda na redução da ansiedade
- Contribui para o alívio do estresse
- Ajuda a elevar a autoestima
- Estimula a interação social
- Melhora a capacidade afetiva
- Contribui para o aprendizado sobre responsabilidade e respeito



Pet terapeuta
O bem-estar que a convivência com animais de estimação pode proporcionar vai além do ambiente doméstico e invade hospitais e instituições assistenciais. Os pets têm sido grandes aliados em tratamentos terapêuticos, repercutindo no bem-estar físico, mental e emocional de pacientes.

Essa interação é intitulada Terapia Assistida por Animais (TAA). Mas as intervenções também podem ter fins motivacionais, recreativos ou educativos, direcionando-se, assim, para cada objetivo e faixa etária.

A interação com um cachorro, por exemplo, pode reduzir significativamente a dor, a ansiedade e a fadiga em pacientes que enfrentam tratamento contra o câncer. Outro exemplo, a equoterapia, que promove atividades com cavalos, auxilia na reabilitação de crianças com disfunções motoras. Pesquisas também associaram o convívio de crianças autistas com animais à melhora de suas habilidades sociais.

Como escolher um animal de estimação?
Na hora de decidir adotar um pet, é importante que a família leve em consideração alguns fatores:

Adequação ao seu lar e estilo de vida

Se você mora em um apartamento e passa muito tempo fora, pode não ser uma boa ideia adotar um cachorro de grande porte, que precisa de espaço e da sua disponibilidade para passear com frequência. Gatos, por exemplo, podem se adequar melhor a esse perfil.

Atenção à personalidade do animal

Considerando a interação com crianças, é importante que o pet seja dócil e afetivo.

Limitações

Se a criança tem alergias, o ideal é consultar um médico para avaliar se ela pode ou não adotar cães ou gatos, por exemplo. Se houver essa limitação, a família também pode optar por espécies que não causem reação alérgica, como peixes e tartarugas.

Consciência sobre as responsabilidades

Adotar um animal implica cuidados de alimentação, higiene, saúde, segurança e bem-estar do pet e da família.

Crianças orientadas

É fundamental orientar os pequenos em relação a como agir com os pets, sendo cuidadosos e amorosos com os animais, colaborando com os cuidados. Especialmente para as crianças menores, a interação com os animais deve ser supervisionada.



 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »