03/12/2018 às 15h47min - Atualizada em 03/12/2018 às 15h47min

Conheça os avanços da medicina para a tomografia

Desde a rotação de pacientes até a telerradiologia, saiba quais avanços foram alcançados no exame de tomografia.

Maria Gabriela
Assessoria de Imprensa, Seo Marketing
Um dos principais equipamentos utilizados atualmente para diagnósticos por imagem na Medicina é a Tomografia Computadorizada (TC). O recurso foi apresentado pela primeira vez em 1972 por Allan Cormack e Godfrey Newbold Hounsfield durante o Thorn Emi Central Research Laboratories, na Inglaterra.

Nesses mais de 40 anos desde o lançamento, a solução foi implementada em clínicas e hospitais de todo o mundo, sendo usada em diversas aplicações clínicas para obter imagens do cérebro e de outras partes do corpo.

Além da revolução na possibilidade de obter imagens detalhadas de diferentes partes do corpo, a tomografia ainda permite a realização de técnicas complexas, como:
  • angiotomografias para obter imagem por tomografia computadorizada das artérias e veias do corpo;
  • perfusão cerebral e de outras partes do corpo para avaliar o estado hemodinâmico dos tecidos;
  • segmentações automatizadas para avaliar a existência de lesões no pulmão, fígado, nódulo linfáticos e outros órgãos;
  • análise e diagnóstico de árvores vasculares e biliares.
Essas são apenas algumas aplicações da tomografia computadorizada, mas a tomografia pode ser usada na investigação de tumores, lesões, fluxo sanguíneo entre outros aspectos fundamentais de serem conhecidos para um diagnóstico mais acertado.

Os aparelhos de tomografia usados atualmente apresentam imagens (cortes) transversais de alto contraste radiográfico da área analisada, que pode ser reconstruída e apresentada em diferentes projeções (planos).

Assim, a tomografia consiste em um exame muito versátil, mas para que essas possibilidades fossem alcançadas atualmente, diversos avanços tecnológicos foram importantes desde o lançamento do equipamento. Conheça algumas a seguir!

Princípio de translação do paciente
Um dos principais momentos de transformação da TC foi ao início da década de 1990 com a adoção o princípio de translação do paciente, rotação do tubo de raio-X e aquisição de dados de forma simultânea.

Esse processo recebeu o nome de “espiral” ou “helical”, e revolucionou o uso da tomografia possibilitando a realização de técnicas que até então não poderiam ser obtidas, como as angiografias.

Quando comparado com os equipamentos anteriores, conhecidos como de primeira geração, os atualizados emitiam um feixe de raios-X no formato de leque, podendo ter mais de 30 detectores para coletar os dados.

A partir dessa tecnologia tornou-se possível que os dados fossem adquiridos em diferentes sentidos durante a rotação do paciente. Dessa forma, a partir da segunda geração de TC obteve-se uma redução do tempo para coleta das imagens e maior clareza dela, evitando erros e distorções.

Juntamente com essas melhorias outras delas foram alcançadas no mesmo período, melhorando os resultados obtidos com a TC, como:
  • adoção do sistema no Gantry do “Slip-Ring”;
  • tubos de raios-X com melhor potência;
  • maior eficiência dos detectores;
  • maior qualidade no processamento de dados digitais.
A soma desses avanços tecnológicos permitiu que a tomografia fosse usada mais amplamente na medicina, com melhores resultados e ampliando as aplicações.
Linha dupla de detectores

Outro avanço tecnológico significativo na tomografia foi em meados dos anos 1990, com a introdução da linha dupla de detectores. A partir de então, tiveram início os equipamentos “multislices”, MDCT (Multidetector Computed Tomography).

Com a adoção dos múltiplos detectores nos equipamentos de TC essa recurso passou a viabilizar a obtenção de ao menos quatro imagens a cada rotação do tubo de raios-X.
Essa inovação trouxe como benefício para a área médico que a tomografia possibilitou uma expansão da cobertura da varredura e melhorou a qualidade da imagem gerada no eixo longitudinal do paciente.

Após esse avanço, começou a se expandir o número de detectores usados nos aparelhos de TC, sendo que hoje em dia eles podem ir de dois canais (duas linhas de detectores) até 320 canais.

Telerradiologia

Recentemente uma nova tecnologia na área da Medicina também impactou os exames de tomografia computadorizada. A telerradiologia consiste na possibilidade de emitir laudos médicos a distância usando a internet.

Com a tecnologia, o paciente realiza o exame na clínica ou hospital próximo de casa, mas o laudo é emitido por uma empresa terceirizada que conta com uma equipe de radiologistas qualificada para a tarefa, inclusive em plantões.

Assim, o exame é recebido pela internet, utilizando um software seguro, e após a emissão do laudo, ele é enviado pelo mesmo canal para a clínica ou médico solicitante.

A solução trouxe muitos benefícios para a área médica, como agilidade na emissão de laudos, maior profissionalismo e especialidade dos profissionais que laudam os exames e ampliação do acesso a serviços médicos de qualidade.

Assim, tanto quanto outros avanços tecnológicos que possibilitam a melhoria do exame em si, a telerradiologia tem melhorado a emissão dos laudos, apresentando diagnósticos mais precisos.

As novas tecnologias estão sendo constantemente usadas na tomografia computadorizada para melhorar a qualidade da imagem dos exames, dos diagnósticos e reduzir a radiação a qual o paciente é exposto durante o exame.

Vemos assim que a translação do paciente, a linha dupla de detectores e a telerradiologia foram todas tecnologias que possibilitaram a melhora dos exames de tomografia, resultando em mais qualidade para os pacientes. 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »