04/10/2018 às 11h44min - Atualizada em 04/10/2018 às 11h44min

Universidades concentram mais de 53% das matrículas no ensino superior

Demais estudantes dividem-se entre faculdades, centros universitários, institutos federais e centros de educação tecnológica

Portal Brasil
Brasil tem 199 universidades, sendo 106 públicas e 93 privadas - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Considerado o mais completo levantamento estatístico sobre as Instituições de Ensino Superior (IES) do País, o Censo da Educação Superior revela que o Brasil tinha, em 2017, 2.448 IES, sendo 296 públicas e 2.152 privadas. O levantamento, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e divulgado em setembro, ainda mostra que, entre as instituições públicas, 41,9% são estaduais, 36,8%, federais e 21,3%, municipais.

Entre as unidades de Ensino Superior do País, 199 são universidades — 106 públicas e 93 privadas. Apesar de representarem apenas 8,1% do total, elas respondem por 53,6% das matrículas — ou 4,4 milhões. Mais numerosas, as 2.020 faculdades vêm em seguida, com dois milhões de matrículas (25% do total). Há também na lista os Centros Universitários — com quase 1,6 milhão de matrículas, ou 19,2%. Por fim, 2,2% (182 mil matrículas) correspondem aos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs) e os Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets).

Vagas e cursos
Em todo o ano passado, 10,7 milhões de vagas foram oferecidas em cursos de graduação, sendo 9,9 milhões pela rede privada e 823 mil pelo sistema público. Desse total, 73,3% eram novas e 26,6%, remanescentes. Além disso, em 2017, o número de ingressantes apresentou alta de 8,1% em relação ao ano anterior.

Em média, as mais de 2,4 mil instituições de ensino superior do Brasil oferecem 14 cursos de graduação. Apenas 2,3% delas ofertam 100 ou mais cursos, que têm como grau acadêmico predominante o bacharelado (58,7%).

Alunos e professores
Em relação ao total de estudantes matriculados, o sexo feminino é o predominante. O levantamento também aponta que a idade média dos alunos no ato da matrícula é mais baixa nos cursos presenciais que nos a distância: 21 anos contra 29, respectivamente.

O Censo de 2017 ainda revela que, tanto na rede pública quanto na privada, o docente médio tem 36 anos e é homem. No sistema público, é mais frequente a ocorrência de profissionais com doutorado e que trabalham em regime de tempo integral; já no privado, predomina o mestrado e o regime parcial.

Censo
Além de oferecer à comunidade acadêmica e à sociedade informações detalhadas sobre o o nível de graduação do País, o Censo da Educação Superior tem como objetivo principal guiar as políticas públicas para o setor. O estudo é elaborado anualmente pelo Inep a partir de dados coletados em questionários preenchidos pelas IES ou por meio do Sistema e-MEC.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »